Bolsonaro e o Brasil invertebrado


Jair Bolsonaro é produto de múltiplos fatores. Passa pelo descrédito da política tradicional, pelos escândalos do mensalão e do petrolão, pelo sistema político, o voto proporcional, também pelo fracasso do processo de renovação das lideranças políticas, pela tibieza da sociedade civil, por um país invertebrado. Ao longo da história republicana tivemos apenas alguns momentos nos quais a política conseguiu ser o fio condutor das transformações econômicas e sociais. De resto, tudo foi seguindo como se a inércia caracterizasse um país sem alma, em que tudo era deixado para o dia seguinte, o mês seguinte, o ano seguinte. A pasmaceira foi, em mais de um século, eventualmente interrompida por breves momentos de lucidez, que de tão breves, não conseguiram o enraizamento necessário para se transformar em rupturas.

E assim o Brasil percorreu o século passado e adentramos o século XXI sem que concluíssemos as tarefas necessárias. Aqui, o novo — o novo de verdade — pouco após o seu nascimento logo é cooptado pelo velho. Isto acabou criando um país que combina diferentes momentos históricos na mesma conjuntura. Ou seja, o movimento da história se move de forma diferenciada e em sentidos opostos. Sendo assim não há um sentido de unidade, pois são processos tão díspares que não permitem estabelecer uma relação entre eles. Os múltiplos brasis só convivem no mesmo espaço territorial, mas são tão distintos que a cada dia vão se afastando transformando o país em um imenso arquipélago quase que autônomo.

O que poderia ser sinônimo de vitalidade é, na verdade, a mais pura tradução do caos político, econômico, sanitário e social que vivemos.

Os múltiplos brasis só convivem no mesmo espaço territorial, mas são tão distintos que o País parece um imenso arquipélago

Aldir Blanc escreveu, certa vez, que o Brazil não conhece o Brasil. Tinha razão. Mas além do Brazil (com “z” mesmo), daqueles que como brasileiros vivem como se fossem exilados, longe da “sua” terra, os Estados Unidos, temos a multiplicidade de brasis que não conseguem estabelecer um laço de união real, não a união formal. Inexiste o sentimento do coletivo, de que fazemos parte de um mesmo país, que temos — gostemos ou não — um destino nacional.

Jair Bolsonaro não é um acidente da política. Não! É produto da nossa história, destes múltiplos brasis que não conversam entre si, que não conseguem concertar um sólido laço de cidadania, de pertencimento. O primeiro passo na construção do Brasil é resolver constitucionalmente um obstáculo: enfrentar e vencer Jair Bolsonaro e seus extremistas. É apenas o primeiro passo de uma longa jornada.


+ Após cobertura ser arrematada em leilão, Carlinhos Mendigo se recusa deixar propriedade
+ Mulher desaparecida é encontrada dentro de cobra píton
+ Furão é estrela de vídeo que recria cenas do filme Ratatouille



Veja também

+ Receita simples de bolo Red Velvet
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

Marco Antônio Villa é historiador, escritor e comentarista da Jovem Pan e TV Cultura. Professor da Universidade Federal de São Carlos (1993-2013) e da Universidade Federal de Ouro Preto (1985-1993). É Bacharel (USP) e Licenciado em História (USP), Mestre em Sociologia (USP) e Doutor em História (USP)


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.