Bolsonaro deveria ser estudado imediatamente

Crédito: Reprodução/ Facebook

Garoto-propaganda Bolsonaro faz publicidade de um medicamento que causa mais prejuízos do que benefícios (Crédito: Reprodução/ Facebook)

No início de março, nada menos que 26 pessoas que acompanharam o presidente Bolsonaro a uma viagem aos EUA, jocosamente conhecida como “Corona Trip”, testaram positivo para o novo coronavírus.

Eram dias de extremo negacionismo presidencial em relação à Covid-19. Bolsonaro desdenhava do vírus, projetava um número ínfimo de mortos, dizia se tratar de uma gripezinha ou resfriadinho, vangloriava-se de ser atleta, passeava sem máscara em lanchonetes e padarias, promovia aglomerações públicas e, literalmente, corria para a galera sem qualquer medida de proteção para si e os outros.

O presidente era cobrado, a todo instante, a apresentar os resultados de seus testes para Sars-Cov-2. Até mesmo uma decisão judicial foi proferida neste sentido, quando, finalmente, Bolsonaro divulgou o resultado “negativo” de um teste, realizado em nome de terceiros (segundo ele, por medidas de segurança). O assunto esfriou e tornou-se mais um dos mistérios jamais respondidos: afinal, Bolsonaro havia ou não contraído a doença?

Dias atrás, já em uma fase, digamos “paz e amor”, curiosamente iniciada após a prisão do primeiro-amigo Fabrício Queiroz, Jair Bolsonaro anuncia que está com Covid-19. Diz que está passando bem, fazendo uso de hidroxicloroquina e que trabalha normalmente no Palácio. Por que, desta vez, espontaneamente, resolveu divulgar o exame (realizado em seu próprio nome)? Só ele e Deus sabem.

Tudo poderia soar normal, corriqueiro, ainda que nada seja assim em torno do Clã Bolsonaro, afinal não é qualquer família brasileira que é recordista em venda de panetones, em dinheiro vivo, ou que condecora milicianos assassinos, ou que está sempre às voltas com funcionários fantasmas e esquemas de rachadinha. Fato é que, de normal, a suposta doença presidencial não tem nada.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Nada menos que 40 pessoas, que mantiveram contato próximo ou íntimo com o presidente, incluindo a primeira-dama Michelle, realizaram testes para o novo coronavírus. Adivinhem: todos testaram… negativo! Em março, quando parecia impossível, ou no mínimo improvável que Jair Bolsonaro não estivesse contaminado, ele se recusava a divulgar seus exames. Quando finalmente o fez, em nome de terceiros, testou negativo. Hoje, quando divulga um resultado positivo, em seu próprio nome, ninguém em seu entorno está contaminado.

Esse maldito vírus é novo, cheio de surpresas e ninguém ainda o conhece muito bem, isso é verdade. Mas é inquestionável seu enorme poder de propagação. Talvez o presidente Bolsonaro se torne mais um dos inúmeros casos misteriosos a ser estudado: em meio a 26 contaminados, permaneceu imune. Hoje, doente, não contamina ninguém. Que continue assim, e que se recupere bem e rápido.

Veja também

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.