Brasil

Bolsonaro deverá apoiar EUA contra o Irã

Crédito: AFP

O presidente Jair Bolsonaro discursa durante cerimônia de promoção de generais das Forças Armadas em Brasília, 9 de dezembro de 2019 (Crédito: AFP)


Agora é a vez da onça beber água na política internacional brasileira. O governo Bolsonaro, incluindo o presidente, seus filhos e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sempre se mostraram subservientes aos americanos, mas desta vez o caso é grave e que pode jogar o mundo para uma nova guerra mundial. Depois do ataque dos EUA a uma base militar em Bagdá, controlada por forças iranianas, com drones, e que acabou matando o líder iraniano Qassem Soleimani, a geopolítica mundial vai mudar radicalmente.

A ONU, todos os países do mundo, terão que se manifestar entre apoiar a ação dos americanos ou condená-la. O Brasil ficará em qual das duas categorias? Sim, neste caso não tem em cima do muro. Ou condena a ação dos EUA ou apóia. Vale lembrar que o conflito no Oriente Médio, com a liderança do Irá, vem aumentando nos últimos anos, sempre com o apoio da Rússia, da China, enquanto que os americanos nunca esconderam que o Iraque é de suma importância em sua estratégia mundial de dominar a produção de petróleo, que tem na região as maiores reservas do planeta. Mas, não se pode esquecer que o ataque a uma base iraniana em Bagdá é apenas o estopim de um conflito que está por irromper. Afinal, no ataque não morreu apenas Soleimani – que é simplesmente a autoridade mais respeitada do Irã, o mais próximo do aitolá Ali Khamenei. Os americanos abateram também Abu Mahdi al-Muhandis, chefe das milícias do Iraque, apoiadas pelo Irã.

Como esse ataque tem tudo para provocar um novo conflito internacional, é preciso saber como o Brasil vai se comportar diante dele. Como sabemos, Donald Trump está em campanha para sua reeleição e pode usar essa guerra para incrementar a política armamentista americana, que é o que sustenta o império americano. Mas o Brasil em outros tempos, procurou ficar neutro nesse tipo de conflito. Pela personalidade de Bolsonaro, que adora o estado belicoso tanto interna como externamente, não é de estranhar que ela venha a apoiar a ação dos americanos, ficando ao lado dos EUA e Israel, numa luta interminável com os árabes no Oriente Médio. Teoricamente, o Brasil deveria ficar neutro, mas Bolsonaro, seu guru Olavo de Carvalho e seus filhotes insanos certamente nos arrastarão para o olho do furacão.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Descoberta no deserto do Kalahari leva a revisão da origem humana
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS