Mundo

Bolsonaro deixa unidade semi-intensiva, mas permanece hospitalizado

Bolsonaro deixa unidade semi-intensiva, mas permanece hospitalizado

Reprodução de imagem de vídeo postado no Twitter oficial do presidente Jair Bolsonaro antes de ser operado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, em 27 de janeiro de 2019 - Jair Bolsonaro's official Twitter account/AFP/Arquivos

O presidente Jair Bolsonaro deixou nesta segunda-feira (11) a unidade de terapia semi-intensiva e foi transferido para um quarto no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se recupera de uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, informou a instituição.

O chefe de Estado, de 63 anos, “evoluiu com melhora clínica progressiva e recebeu alta da Unidade de Terapia SemiIntensiva para o apartamento nesta manhã”, diz o boletim médico. Bolsonaro “não apresenta dor, febre e segue com melhora do quadro pulmonar”, prossegue o informe.

Bolsonaro foi submetido em 28 de janeiro a uma reconstrução do trânsito intestinal para retirada da bolsa de colostomia que usava desde a facada que sofreu no abdômen em 6 de setembro, durante um ato de campanha em Juiz de Fora.

“Foi suspensa a nutrição parenteral, introduzida dieta leve e mantido o suplemento nutricional”, acrescentou o boletim desta segunda-feira, que estipula, ainda, que as visitas continuarão restritas.

A princípio, o presidente, que se manteve ativo nas redes sociais apesar de estar convalescente, devia ficar hospitalizado por dez dias, mas teve febre e quadro de pneumonia que exigiu o tratamento com antibióticos e o prolongamento de sua internação.

Mais cedo, o ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o presidente poderia retornar a Brasília esta semana.

“Hoje pela manhã. Mais um início de semana. Vamos à luta! Um bom dia a todos!”, tuitou Bolsonaro nesta segunda, acompanhando a postagem de uma foto dele fazendo a barba e vestido com uma bata hospitalar. Todos os dias, o presidente publica vídeos, fotos e mensagens tanto de sua recuperação quanto de assuntos relacionados com o governo.

Após o atentado sofrido em setembro, Bolsonaro foi submetido a uma colonoscopia e no dia seguinte foi transferido para o hospital paulista, onde permaneceu 23 dias e precisou ser operado uma segunda vez.