Bolsonaro: De leão bravo a gatinho manso

Bolsonaro: De leão bravo a gatinho manso

(Arquivo) O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, durante coletiva de imprensa em Brasília, no dia 24 de abril de 2020 - AFP

Confesso que nunca testei a teoria que “cão que ladra não morde”. Para mim, rosnou, latiu, não chego nem perto. Outra teoria não diz que “o seguro morreu de velho”? Pois é. Tô com essa e não abro.

Bolsonaro sempre se portou como um cão que apenas ladra. Gritou, xingou, ameaçou, mas nunca cumpriu os impropérios. Nunca mordeu. Na hora H, sempre colocou o rabinho entre as pernas e obedeceu às leis. Ao que parece, o presida é doido, mas não baba. Tal qual o ex-ministro valentão, que queria prender “os vagabundos do STF”, e acabou picando a mula rapidinho.

De quinta-feira para cá, aquele leão que tanto rugia transformou-se num simples gatinho que mia. Ou nem isso. Apenas ronrona. Após a prisão do primeiro-amigo Queiroz, o presidente beligerante sumiu. Nada daquele cercadinho ridículo, às portas do Alvorada. Nada de ameaças ao Supremo e ao Congresso. Nada de faniquitos com jornalistas. As poucas aparições públicas (um enterro de um militar e uma solenidade de inauguração) mostraram um outro tipo de Jair Bolsonaro:

“E nós, em paz e harmonia, com bom entendimento entre os Poderes, todos focados realmente no bem-estar da nossa população e nos anseios da mesma temos certeza que colocaremos o Brasil no local de destaque que ele bem merece”

Que maravilha, hein! Que milagre não opera uma Bomba Q! E pensar que, há menos de uma semana, o presidente nos ameaçava:

“Eu não vou ser o primeiro a chutar o pau da barraca. Eles estão abusando. O ocorrido no dia de ontem, no dia de hoje, quebrando sigilo de parlamentares, não tem história nenhuma visto numa democracia por mais frágil que ela seja. Então, está chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar”.

Pois é. Ao que tudo indica, o Pit Bull fake já era. Seus “generais barra cuidadores” caíram na real. Ninguém mais, trajando verde-oliva, irá arriscar (além do que já arriscaram) a própria história em nome de um verborrágico sem controle. De agora em diante – ao menos é o que parece – só teremos um Bolsonaro: o Bolsonarinho Paz e Amor.

Aposto minhas cuecas nisso? Não.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.