Bolsonaro cospe na cara dos brasileiros e confessa: ‘Matei a Lava Jato’

Bolsonaro cospe na cara dos brasileiros e confessa: ‘Matei a Lava Jato’

Depois de Renan Calheiros tecer loas de admiração a Jair Bolsonaro, pelo trabalho de destruição da Lava Jato, que o senador chama de “Estado policialesco”, foi a vez do próprio presidente da República, o novo ídolo e parça dos pilantras do Centrão, confessar o assassinato da maior e mais bem sucedida operação contra a corrupção da história democrática ocidental.

Numa cerimônia no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (07), o amigão do Queiroz disse, com todas as letras, que “eu não vou acabar com a Lava Jato; eu já acabei com a Lava Jato”. Orgulhoso do feito que nem Dilma, Lula, Zé Dirceu e a banda cúmplice do STF, juntos, conseguiram realizar, o maridão da Micheque, ops!, Michelle, justificou-se afirmando que “acabou a corrupção no governo”.

A Operação Lava Jato não mira o governo bolsonaro, mas, sim, hoje em dia, os desdobramentos do petrolão, ainda que acerte governantes de turno, como o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. Ao matar a Lava Jato, Bolsonaro quer – e irá – enterrar todos os esqueletos lulopetistas, inclusive os inúmeros casos, em andamento, de deputados e senadores aliados do atual governo.

O que o papis do Flávio Rachadinha, o maior vendedor de panetones, em dinheiro vivo, do mundo, não explicou, foi o porquê ter negado, todo esse tempo, que a indicação de Augusto Aras, como PGR, servia justamente a esse propósito, bem como por que, a indicação de Kassio Marques, para o STF, é mais um passo rumo a composição de uma Suprema Corte alinhada com Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski.

Pela ruindade do governo, opositores ironizavam Bolsonaro dizendo que ele é “um petista disfarçado”. Após seus últimos movimentos políticos, sobretudo depois da prisão do amigo de décadas, Fabrício Queiroz, ouso dizer que o “Coiso” rasgou o disfarce e assumiu, sem medo de ser feliz, o lado petista de ser. Afinal, transformar Moro em inimigo e Toffoli em BFF (best friends forever), é digno de medalha de honra – na ótica do Partido dos Trabalhos, é claro.

Falta pouco para uma chapa “puro-sangue” em 2022: Bolsolula 1713. Ou apenas 171 mesmo. Fica mais adequado.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.