Economia

Bolsonaro: coração da PEC Emergencial está sendo mantido


O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) minimizou a desidratação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial na Câmara. O chefe do Planalto agiu pessoalmente para alterar o texto, que destrava o novo auxílio emergencial, e liberar a possibilidade de progressão e promoção para servidores públicos no futuro.

“Se um ou outro dispositivo for suprimido faz parte da regra do jogo, mas o coração do projeto está sendo mantido”, afirmou Bolsonaro em uma entrevista no Palácio da Alvorada. “Melhor você ter uma PEC emergencial aprovada com algumas supressões do que uma sem supressão rejeitada”, argumentou.

O presidente reforçou que o governo retomará o auxílio emergencial com mais quatro parcelas de R$ 250 em média. A ampliação desse montante, porém, foi afastada pelo chefe do Executivo. “Se dar novas parcelas, teremos uma crise econômica”, declarou o presidente, reforçando que o País está no limite do endividamento.

Veja também

+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ ‘Dói pra caramba’, revela Anitta sobre tatuagem íntima
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS