Brasil

Bolsonaro acuado

Para salvar seu governo, Jair Bolsonaro conteve a ala ideológica, passou a ser tutelado pelos militares e tenta se conciliar com o STF e o Congresso. A nova estratégia inclui uma agenda de inaugurações e a transformação do Bolsa Família em uma marca própria. A mudança vem após vários reveses: a prisão de Queiroz, os inquéritos no STF que ameaçam sua família, a pandemia e a recessão. Eles fortalecem movimentos pró-democracia, como o Stop Bolsonaro, que aconteceu no dia 28 em cerca de 60 cidades e 26 países e mobilizou as redes sociais

Crédito:  Mateus Bonomi/AGIF/AFP

DERROTADO Bolsonaro muda a rota do governo diante das investigações do STF e das crises graves na saúde e na economia. Prisão de Queiroz foi a gota d’água (Crédito: Mateus Bonomi/AGIF/AFP)

Nos últimos dias, o Brasil está conhecendo um novo presidente. Confrontado com as ameaças crescentes ao seu governo, Jair Bolsonaro não ataca mais a imprensa, não participa de atos golpistas, prega a harmonia com o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso e demonstrou até compaixão com as vítimas da Covid-19 em uma live bizarra que incluiu o presidente da Embratur como sanfoneiro. O cerco se fecha a partir dos vários inquéritos que assolam o presidente, sua família e colaboradores no STF: Fake News, atos antidemocráticos e interferência na Polícia Federal (PF). Os extremistas que rondavam a praça dos Três Poderes pregando o fechamento do Congresso e do STF foram presos. O tiro de misericórdia para mudar o humor presidencial, no entanto, foi a prisão de Fabrício Queiroz, amigo de décadas de Bolsonaro e ex-assessor de seu filho Flávio. Ele é acusado pelo Ministério Público do Rio de ser o operador de um esquema de rachadinhas liderado pelo filho na Assembleia fluminense. O escândalo, que inclui o envolvimento com milícias, levou a crise para dentro do Palácio do Planalto. Isso abateu Bolsonaro mais que qualquer adversidade enfrentada desde o início do governo.

NOVA AGENDA Inauguração no Ceará de trecho da transposição do rio São Francisco, no dia 26, repetiu a estratégia de Lula
e mirou regiões em que Bolsonaro é fraco: o Norte e o Nordeste (Crédito:Alan Santos)

Para proteger o clã e preservar seu mandato, o presidente mudou sua estragégia. Acabaram suas aparições diárias no “cercadinho” do Palácio do Alvorada, que geravam crises diárias. Foi uma recomendação dos militares palacianos. A ala fardada passou a mandar mais, e o núcleo ideológico, próximo dos filhos, perdeu protagonismo. Um exemplo desse movimento é a escolha do novo ministro da Educação, que passou por critérios mais técnicos e menos doutrinários, apesar da desastrada indicação avalizada pelos militares de um ex-oficial da Marinha que nem esse título tinha. Outro exemplo é a pressão pela demissão dos dois ministros ideológicos que têm causado os maiores estragos na relação com investidores e parceiros comerciais: Ernesto Araújo (Itamaraty) e Ricardo Salles (Meio Ambiente). O plano é minimizar as acusações criminais e criar uma agenda positiva, imprimindo uma marca realizadora. Bolsonaro planeja recuperar a popularidade com inaugurações, que estão sendo discutidas com aliados políticos e deputados do Centrão. Uma lista com 30 rodovias, viadutos, estradas pavimentadas e pontes restauradas está sendo preparada pelo ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura). A inauguração de um trecho da transposição do rio São Francisco no Ceará, no dia 26, já fez parte desse roteiro.

BANDEIRA BRANCA Bolsonaro anuncia a prorrogação do auxílio emergencial, que vai se incorporar ao Bolsa Família, e faz um gesto de conciliação a Rodrigo Maia (esq.) e Davi Alcolumbre (Crédito:Pedro Ladeira)

Ao criar essa agenda positiva, Bolsonaro lembrou o momento mais delicado do governo Lula, em meio ao escândalo do Mensalão. Nas cordas e com a popularidade em queda, o ex-presidente tentou desviar a atenção do primeiro megaescândalo de corrupção da era petista. Apostou suas fichas no Bolsa Família e criou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que tentou embrulhar várias obras de infraestrutura com um discurso triunfal e uma roupagem desenvolvimentista. O resultado foram centenas de obras paradas, dívidas acumuladas e mais corrupção, como se sabe. Mas Lula conseguiu recuperar a popularidade e usou o PAC para eleger a sucessora, Dilma Rousseff. Outro pilar de sustentação também segue a cartilha petista. Será o Renda Brasil, programa que deve incorporar o Bolsa Família e benefícios como o abono salarial e o seguro-defeso. O caminho foi apontado pelo auxílio emergencial preparado às pressas na pandemia, de R$ 600 mensais. Ele acaba de ser estendido porque o presidente percebeu o seu potencial político. Agora, Bolsonaro quer criar o seu próprio Bolsa Família. Além de dar uma face social ao governo, o programa pode dar frutos eleitorais exatamente na região em que o bolsonarismo é mais fraco e o petismo ainda impera — no Nordeste e no Norte.

O ato Stop Bolsonaro ocorreu em 26 países. Na Esplanada dos Ministérios, mil cruzes homenagearam as vítimas da pandemia no domingo, 28 (Crédito:SERGIO LIMA)

Os militares e o centrão

O terceiro suporte do novo governo é o Centrão. A corrida pelo apoio desses partidos fisiológicos e sedentos de cargos tem se acelerado sob a coordenação do general Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). Também sinalizando com uma distensão, Ramos, que era o único militar da ativa entre os ministros palacianos, anunciou que passará à reserva. Com isso, diminui o fantasma da interferência do Exército, sem contar a ameaça de um golpe, feita várias vezes pelo presidente, de forma não muito velada. “Os militares já devem estar refletindo sobre a vantagem de continuar ou não no governo. Demoraram muito para limpar seu nome, saíram de forma desgastada da ditadura. Se as evidências comprovarem o conhecimento do presidente sobre as falcatruas do filho, a probabilidade maior é Bolsonaro ser abandonado por eles”, afirma o cientista político Carlos Pereira, da FGV.

“Se as evidências comprovarem o conhecimento do presidente sobre as falcatruas do filho, a probabilidade maior é Jair Bolsonaro ser abandonado pelos militares. Ele tenta sobreviver em uma situação gravíssima” Carlos Pereira, cientista político da FGV (Crédito:Divulgação)

Essa mudança de rota era previsível, segundo Pereira. Ele acha que a estratégia do confronto com o Congresso e as instituições, inclusive com a imprensa, só poderia gerar benefícios no curto prazo. Há uma extensa literatura política sobre o assunto nos EUA. No decorrer do tempo, esse método de ação só poderia gerar passivos, animosidades e ressentimentos. “Bolsonaro viu o tamanho da conta, que ameaça sua própria sobrevivência. De uma forma tardia, buscou apoio junto ao Centrão. Mas fez isso de uma forma frágil, para se salvar do impeachment. Queiroz sinaliza muita vulnerabilidade. O presidente está fraco e precisa do suporte do Congresso”, diz. O presidente reuniu uma base de apoio de cerca de 30% da população por meio de um discurso radical, polarizado. Só que ao fazer isso se desgastou com as instituições. Para diminuir a tensão, buscou uma coalizão. Mas, com as investigações avançando, esse roteiro pode ser acidentado. Vai ser difícil manter o apoio da sociedade e do Congresso, e o Centrão vai aumentar a fatura pelo apoio. Há uma tempestade perfeita se formando. Além da crise de saúde com a pandemia, que já provocou mais de 60 mil óbitos e 1,5 milhão de infectados, a crise econômica vai cobrar um preço enorme para a sociedade. “Bolsonaro tenta sobreviver em uma situação gravíssima”, afirma Pereira.

A nova fase do governo pode ainda derivar para o populismo econômico e comprometer o ajuste fiscal. O teto de gastos, aprovado no governo Michel Temer, que tem garantido os juros baixos e disciplinado a inflação, está na mira daqueles que tentam reviver a expansão via gastos públicos — como a ala militar do governo, que já tentou emplacar o Pró-Brasil, uma nova versão do PAC. O País entrou em recessão no primeiro trimestre deste ano, segundo a FGV, e ela pode ser a maior da história. O Ministério da Economia acha que o PIB vai cair 4,7% em 2020. O FMI estima que o tombo será de 9,1%. A pandemia aniquilou 7,8 milhões de postos de trabalho e, pela primeira vez, menos da metade das pessoas em idade para trabalhar está empregada, diz o IBGE. Com a dívida pública se aproximando de 100% do PIB, o governo vai ter dificuldades cada vez maiores para reativar a economia.

Ao buscar a harmonia com os outros Poderes, o presidente tem se esforçado de uma forma inédita. A renovação do auxílio emergencial foi simbólica. Ocorreu em uma cerimônia organizada no Palácio do Planalto na terça-feira, 30, marcada pelo aceno de paz aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. “É uma satisfação tê-los aqui. É um sinal que juntos nós podemos fazer muito pela nossa pátria”, declarou. Aproveitou para convidá-los a integrar sua nova agenda. “Tive o prazer de estar em Araguari e, ao retornar, pousamos em um pequeno vilarejo de forma inopinada. Tinha umas 30 casinhas lá e vimos muita gente humilde”, acrescentou. Vai precisar fazer muito mais para desanuviar o ambiente carregado por um ano e meio de ataques às instituições. Para criar pontes com o STF, André Mendonça (Justiça e Segurança), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e José Levi (Advocacia-Geral) já tinham sido despachados a São Paulo a fim de dialogar com o ministro Alexandre de Moraes, que é o relator dos inquéritos das Fake News e dos atos antidemocráticos. A visita foi mal recebida por outros ministros, que interpretaram o gesto como uma má sinalização institucional — a interlocução entre o Executivo e o Judiciário deveria ter acontecido com o presidente do STF, Dias Toffoli.

Os limites da nova fase
Bolsonaro está sendo obrigado a se reinventar. Já perdeu a imagem anticorrupção desde que descartou Sergio Moro e, ao que tudo indica, tentou interferir na PF para usá-la em defesa de seus filhos e amigos e como instrumento de perseguição de adversários. Agora avança para desmanchar a estrutura da Lava Jato, por meio das ações do PGR que procuram controlar as grandes investigações anticorrupção. As investidas serviram para mobilizar sua base radical, mas também tiveram um efeito bumerangue. Fizeram avançar os inquéritos que o fustigam. As apurações do inquérito das Fake News agora serão compartilhadas com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que pode usá-las nos pedidos de impugnação da chapa Bolsonaro-Mourão, pelo suposto uso massivo de propaganda ilegal em redes sociais em 2018. É uma ameaça que não existia. O presidente finalmente percebeu o risco de sua trajetória de confronto.

A escalada da crise levou o mandatário a procurar um caminho de harmonia contra a sua própria natureza. Toda a sua carreira foi fundada nos ataques e na polarização. Ele nunca cogitou ter um papel conciliador, nem procurou governar para todos os brasileiros, independentemente das opções políticas. “Tudo era um blefe”, aposta Pereira. “As instituições são fortes e não correm riscos. Isso não quer dizer que ele não tente um golpe. Mas querer não é poder. Se insistir, quem vai perder é ele. O retrato atual não é positivo para o governo, e pode ficar muito pior.”

PLURIPARTIDÁRIO Live do movimento Direitos Já! reuniu mais de 100 personalidades de diversas tendências e partidos, no dia 26: em defesa da democracia (Crédito:Divulgação)

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel