Bolsonaro acha o nordestino indecente. Mas quer seu voto

Crédito: Reprodução/Twitter

(Crédito: Reprodução/Twitter)

Na última sexta-feira, dia 26 de junho, o presidente Jair Bolsonaro foi ao Ceará para inaugurar um trecho da transposição do rio São Francisco. No domingo, a página de seu filho Carlos no YouTube público um vídeo dirigido aos Nordestinos, com o título “Presidente Bolsonaro: Ceará!” É uma peça das mais esquisitas, que diz muito sobre a crise existencial que o bolsonarismo atravessa.

Desde a prisão de Fabrício Queiroz, há pouco mais de dez dias, Bolsonaro fez um recuo tático. Suspendeu a comunicação no estilo tiro, porrada e bomba. Mandou emissários ao STF, em busca de apaziguamento. Intensificou a entrega de cargos aos partidos do Centrão. E certamente passou a olhar com mais atenção as pesquisas sobre o eleitorado.

Há diversas pesquisas sobre aprovação do governo na praça. Elas convergem ao mostrar que o apoio a Bolsonaro se mantém estável, mas também revelam movimentações internas desse eleitorado. Enquanto o contingente dos apoiadores mais ricos e mais educados oscilou para baixo nos últimos meses, o dos mais pobres cresceu.

Não é que tenha explodido. Segundo algumas pesquisas, apenas retornou aos patamares do início do ano, depois de um momento de queda. Acredita-se que a recuperação é fruto do auxílio emergencial, que alimentou a simpatia dos mais necessitados em relação ao governo.

Como já argumentei aqui, a criação do coronavoucher de 600 reais não é mérito de Bolsonaro. Mas quem o recebe dificilmente estará ciente disso. O dinheiro vem com o carimbo do governo federal.

Sendo assim, é natural a tentativa de cristalizar esse apoio, mostrando Bolsonaro como um assistencialista em quem se pode acreditar. E é natural que o esforço mire o Nordeste, onde o peso das ações gestadas em Brasília é muito mais sentido e lembrado.

Mas o Nordeste não foi a região que mais resistiu a Bolsonaro? Não foi a única que não lhe concedeu vitória em um estado sequer? O Nordeste, para resumir, não é petista?

Segundo os cientistas políticos que trabalham com pesquisas, essa é uma meia verdade. O voto de quem depende de uma política do governo é bastante influenciado pelo receio de perdê-la. Isso explica o malogro de Bolsonaro em 2018. Mas se ele mostrar que é confiável, agora que está no governo, parte da rejeição se esvai. Mesmo que continuem as boas lembranças de Lula.

Aí entra o vídeo deste fim de semana. Com dois minutos de duração, ele não faz propaganda do governo. É promoção pessoal mesmo. Com direito a ilustração de Bolsonaro com sanfona e chapéu de couro.

Trata-se de uma curiosa incursão do bolsonarismo nos clichês da propaganda política. Há muitos rostos brasileiros em close, às vezes sofridos, às vezes sorridentes. E há muito Bolsonaro interagindo com o povo.

A surpresa está na trilha sonora, um forró entoado por um cantor profissional. A letra que ele canta tem dois motes.

Primeiro, o cantor pede perdão a Bolsonaro em nome do Nordeste. “Me desculpe se com você eu fui indecente”, diz a canção.

Em seguida ele se explica: passaram a ideia falsa de que o Bolsa Família seria exterminado  se o ex-capitão ganhasse. Mas Bolsonaro, felizmente, não é vingativo. Por isso, está na hora de o Nordeste estabelecer uma nova relação com o presidente, que é um cara decente. Dá-lhe rima!

O segundo mote pode ser resumido neste verso: “Foi Deus quem te colocou na presidência”. Essa parte tem imagens de Bolsonaro no hospital, depois de sofrer atentado a faca.

Há mesmo no bolsonarismo um instinto agressivo quase impossível de reprimir. Até o seu singelo aceno musical aos nordestinos exige nada menos que submissão. Bolsonaro é o escolhido de Deus. E o nordestino “indecente” precisa pedir perdão por não ter entendido esse fato desde o início.

Convenhamos, com essa mensagem, talvez o vídeo não tenha o efeito esperado. Mas ele é produto de uma leitura racional da conjuntura política. Podemos esperar outras viagens e outros forrós do presidente por aí.

Em tempo: Já existe um certo consenso na Justiça Eleitoral de que um político pode fazer promoção pessoal na internet a qualquer momento, desde que não peça votos. Assim, o vídeo de Bolsonaro não infringe a lei por ser publicado fora de um período eleitoral. Mas convém verificar quem bancou o trabalho. Um vídeo desse tipo não sai de graça, e Bolsonaro está sem partido. Não tem acesso a recursos do fundo partidário. Ele gastou do próprio bolso? Ou foi doação de amigos? Se algum recurso da Secretaria de Comunicação do governo foi utilizado, é pênalti.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.