Finanças

Bolsas de NY fecham na maioria em alta; Nasdaq recua

As bolsas de Nova York fecharam na maioria em alta nesta segunda-feira, 3, em um pregão abreviado por causa do feriado do Dia da Independência dos Estados Unidos, celebrado na terça-feira, 4. A exceção do movimento em geral negativo do dia de hoje foi o setor de tecnologia, que voltou a recuar e com isso deixou o índice Nasdaq em baixa.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,61%, em 21.479,27 pontos, em novo fechamento recorde, o Nasdaq caiu 0,49%, a 6.110,06 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,23%, a 2.429,01 pontos.

Entre as ações com mais força, as dos setores de energia e financeiro levaram o Dow Jones a subir, no primeiro pregão do terceiro trimestre e também do segundo semestre.

As ações em geral estão em patamar forte em Wall Street, após avançarem no primeiro semestre graças a balanços corporativos fortes e a um cenário melhor para a economia global. Muitos investidores esperam agora, porém, que os ganhos nas ações desacelerem no restante do ano, diante da fraqueza recente da inflação, de valores acima da média de vários papéis e da recente queda dos preços das commodities.

O ritmo de crescimento do lucro das companhias também deve diminuir, após várias empresas registrarem seus melhores resultados em quase seis anos. “A grande questão para os mercados agora é: o ritmo modesto dos EUA ficou para trás?”, disse Michael Herzum, estrategista da Union Investment. “Nós acreditamos que o grosso da melhora nos balanços já aconteceu.”

Entre os papéis em alta hoje, no setor de energia Chevron e Exxon Mobil avançaram, em dia positivo para o petróleo. O setor financeiro também avançou, com bancos como Goldman Sachs e J.P. Morgan em alta na esteira dos avanços dos retornos dos bônus de governos. Isso em geral apoia as margens de lucro líquido dos bancos, uma medida importante da rentabilidade dos empréstimos.

Na agenda de indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria dos EUA caiu de 52,7 em maio para 52,0 em junho, no patamar mais fraco desde setembro de 2016, segundo a IHS Markit. Já o PMI da indústria elaborado pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM) subiu de 54,9 em maio para 57,8 em junho, ante previsão de 55,5. Fonte: Dow Jones Newswires