Economia

Bolsas de NY fecham mistas, com PMI industrial e Jackson Hole no radar

Os principais índices acionários de Nova York fecharam sem direção única nesta quinta-feira. Após abrir no azul, as bolsas foram pressionadas pelo indicador fraco da indústria americana e por comentários do presidente da distrital de Filadélfia do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Patrick Harker. Ademais, investidores aguardavam pelo discurso que o presidente do Fed, Jerome Powell, dará sexta no simpósio anual de Jackson Hole.

O índice Dow Jones ganhou 0,19%, aos 26.252,24 pontos. Por outro lado, o Nasdaq perdeu o patamar dos 8 mil pontos e recuou 0,36% para 7.991,39 pontos. Já o S&P 500 teve ligeira queda de 0,05%, aos 2.922,95 pontos, e segue há quase três semanas abaixo da linha de 3 mil pontos.

Em entrevista à CNBC nesta manhã, Harker afirmou não ver necessidade de um novo corte de juros nos Estados Unidos, sugerindo que a taxa está “mais ou menos” no nível do juro neutro. A declaração foi mal recebida pelos mercados, que já precificam ao menos um corte adicional de 25 pontos-base em 2019, e os índices nova-iorquinos bateram mínimas durante a entrevista.

A fala de Harker se somou às dos presidentes do Fed Kansas City, Esther George, e do Fed Boston, Eric Rosengren, que também se posicionaram contra uma nova redução dos juros. “A falta de uma opinião unificada no Fed e o fato de seus dirigentes parecerem fora de sintonia com os crescentes riscos negativos podem desencadear um aperto financeiro acentuado, como no último trimestre de 2018”, avalia a analista Lydia Boussour, da Oxford Economics.

Pelo lado dos indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial americano caiu em agosto ao menor nível em quase dez anos, segundo dados preliminares da IHS Markit. O S&P 500 perdeu quase 30 pontos após a publicação do dado, reduzindo perdas ao longo da sessão.

“Os dados do PMI reforçam as preocupações acerca de uma desaceleração global”, afirma o analista do BBVA Vitor Sun Zou. O indicador se acumulou aos PMIs fracos da zona do euro, Alemanha e Japão no mesmo período, agravando a percepção de contração da atividade industrial.