Economia

Bolsas de NY fecham em alta após recuo em pedidos de auxílio-desemprego e Nasdaq

As bolsas de Nova York fecharam em alta pelo quinto pregão consecutivo, após um recuo nos pedidos semanais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos gerar otimismo sobre a retomada da economia e diante da expectativa de que republicanos e democratas cheguem a um acordo para um novo pacote fiscal.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

O índice Dow Jones encerrou a sessão com ganho de 0,68%, a 27.27.386,98 pontos, o S&P 500 avançou 0,64%, a 3.349,16 pontos, e o Nasdaq subiu 1,00%, a 11.108,07 pontos, em nova máxima histórica de fechamento e acima dos 11 mil pontos pela primeira vez.

Depois de abrirem o pregão em queda, as bolsas de Nova York inverteram e o sinal e engataram um movimento de alta à tarde, com o Nasdaq acima da marca de 11.100 pontos intraday. O mercado operou na expectativa pelas negociações em Washington em torno do próximo pacote fiscal e dos benefícios de auxílio-desemprego que expiraram no dia 31 de julho.

“Vemos luz no fim do túnel para os entraves, porém não sabemos qual é o tamanho desse túnel”, disse a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, ao explicar que houve progresso nas tratativas com os republicanos, mas um acordo ainda não foi fechado.

Uma redução de 249 mil nos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, para 1,186 milhão, também animou os investidores. “Embora encorajadores, os dados de emprego permanecem historicamente fracos”, pondera o analista de mercado Joe Manimbo, do Western Union.

“Houve uma recuperação nas compras, nos gastos e nas vendas no varejo, mas não haverá dólares suficientes fluindo pela economia para ajudar a mantê-la crescendo se o governo interromper seu apoio”, alerta o economista-chefe do MUFG Union Bank, Chris Hupkey.

O presidente dos EUA, Donald Trump, por sua vez, voltar a apostar em uma recuperação rápida da economia, em forma de ‘V’.

No S&P 500, o setor de serviços de comunicação liderou os ganhos (+2,45%), seguido pelo setor de tecnologia (+1,46%). Ações de companhias aéreas se destacaram após o governo americano relaxar o alerta de viagens internacionais, que estava desde março no nível quatro, por causa dos riscos da pandemia de covid-19. O papel da United Airlines subiu 1,99%, o da American Airlines avançou 3,82% e o da Delta Airlines registrou alta de 2,30%.

As ações do Facebook, por sua vez, saltaram 6,49%, depois que a rede social anunciou o lançamento de um novo recurso no Instagram que é semelhante ao aplicativo chinês TikTok.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea