Economia

Bolsas da Europa fecham em queda com techs no contexto de tensões EUA-China

As bolsas da Europa fecharam em queda nesta segunda-feira, 20, com o setor de tecnologia liderando as perdas após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinar um decreto que, na prática, limita as operações da empresa chinesa de tecnologia Huawei em território americano elevando as tensões entre o seu país e a China. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão com recuo de 0,95%, aos 375,80 pontos.

Sob alegação de proteção de segurança nacional, a medida assinada pelo governo de Donald Trump, na última semana, exige que as companhias americanas que exportam tecnologia à empresa Huawei solicitem uma licença. A consultoria Eurasia entende, com isso, que haverá dificuldades na atuação da Huawei, como já foi verificado nesta segunda, com a Alphabet, controladora da Google, suspendendo alguns serviços para smartphones fabricados pela companhia chinesa.

Os investidores se movimentaram no setor de tecnologias, com a gigante de microchips STMicroelectronics despencando 9,15% na Bolsa de Milão, cujo índice FTSE MIB fechou em queda de 2,68%, aos 20.539,87 pontos. A mesma empresa também é negociada na Bolsa de Paris, em que recuou 9,08%. Por lá, o índice CAC 40 encerrou o dia cedendo 1,46%, aos 5.358,59 pontos.

Alguns papéis do setor bancário também apresentaram perdas. Foi o caso do Deutsche Bank, que viu suas ações caírem 2,89%. O banco alemão sofreu suas baixas frente ao rebaixamento de neutro para venda da recomendação dos analistas do grupo UBS.

Além disso, o New York Times publicou uma reportagem revelando que executivos do Deutsche Bank rejeitaram um conselho de especialistas em lavagem de dinheiro da própria instituição financeira, em que recomendavam relatar à agência federal de combate a crimes financeiros transações envolvendo entidades controladas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o seu genro e conselheiro sênior da Casa Branca, Jared Kushner. O índice DAX 30, da Bolsa de Frankfurt, baixou 1,61%, chegando aos 12.041,29 pontos.

Em um dia de queda generalizada no setor bancário, o Banco Comercial, português, cedeu 1,27%. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20, caiu 0,37%, encerrando as negociações com 5.098,84 pontos.

Ainda na Península Ibérica, o Banco Santander, espanhol, recuou 1,59%. O índice IBEX 35, da Bolsa de Madri, baixou 0,87% e fechou em 9.199,70 pontos.

No cenário de divulgação de resultados decepcionantes da irlandesa Ryanair, o setor de companhias aéreas também apresentou recuos. A EasyJet caiu 3,42%, negociada na Bolsa de Londres, que cedeu 0,51% e fechou em 7.310,88 pontos. Outra gigante do setor na zona do euro, a Air France, recuou 2,65%.