Economia

Bolsas da Europa fecham em baixa, com dúvida sobre pacote nos EUA e vacina

As bolsas da Europa fecharam o pregão desta sexta-feira, 15, em baixa, em um dia de cautela no exterior, em meio a dúvidas sobre o pacote fiscal do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentado na quinta-feira. A informação de que a Pfizer irá reduzir o ritmo de fornecimento de vacinas contra a covid-19 a países do continente também pesou. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, contudo, afirmou que a farmacêutica garantiu o cumprimento do cronograma já acordado.

Com esse pano de fundo, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,11%, a 407,41 pontos, com perda semanal foi de 0,92%.

A proposta de estímulos fiscais de Biden somará US$ 1,9 trilhão. Entre as principais medidas, está o pagamento direto de US$ 1,4 mil a cidadãos americanos, para complementar os US$ 600 já aprovados. No entanto, na percepção de analistas, o pacote pode enfrentar obstáculos no Congresso, mesmo com o controle do Senado na mão dos democratas.

As dúvidas sobre a expansão fiscal nos EUA, em um momento de aceleração da pandemia de covid-19, espalharam cautela pelos mercados como um todo. Em Londres, o índice FTSE 100 caiu 0,97%, a 6.735,71 pontos, com recuo de 2,00% na semana.

“Enquanto isso, a recuperação da Europa é estrangulada por lockdowns adicionais e um programa de lançamento de vacina desastrado”, diz o estrategista-chefe de mercados globais da Axi, Stephen Innes, em nota aos clientes.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Perto do fechamento dos mercados europeus, começou a circular entre operadores a notícia de que a Pfizer irá reduzir o ritmo de distribuição de vacinas para países europeus a partir da semana que vem. Von der Leyn, contudo, disse que a farmacêutica “fará o que for necessário” para evitar atrasos na entrega das doses.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Dax cedeu 1,44%, a 13.787,73 pontos, com perda semanal de 1,86%. As ações do Deutsche Bank perderam 3,56% e as da Daimler caíram 2,88%.

O CAC 40, de Paris, recuou 1,22%, a 5.611,69 pontos, e registrou baixa 1,67% na comparação com o fechamento da sexta-feira passada. Os papéis da Peugeot caíram 4,21% e as da Renault, 3,84%.

Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 1,13% nesta sexta e 1,81% na semana, a 22.381,35 pontos, em meio a uma crise política na Itália.

Em Madri, o Ibex 35 teve perda de 1,69%, a 8.230,70 pontos. Na semana, o índice acionário espanhol cedeu 2,11%. O PSI 20, de Lisboa, por sua vez, caiu 1,51%, a 5.038,24 pontos, com recuo de 3,95% na comparação semanal.

Na seara de indicadores divulgados nesta sexta, a produção industrial do Reino Unido recuou 0,1% em novembro, na comparação mensal, ante previsão de estabilidade. A zona do euro, por sua vez, registrou leve superávit de US$ 25 bilhões em novembro de 2020.

*Com informações da Dow Jones Newswires

Veja também

+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica