Economia

Bolsas da Ásia fecham sem sinal único de olho em bancos centrais e em EUA-China

Os mercados acionários asiáticos não adotaram direção única nesta terça-feira, à medida que os agentes continuaram a monitorar sinais relativos a mais afrouxamento monetário por parte de grandes bancos centrais, além de novidades na seara comercial com as negociações entre Estados Unidos e China de volta ao radar. Assim, as bolsas asiáticas não conseguiram acompanhar os níveis recordes em Wall Street, embora os principais índices de ações americanos tenham apresentado ganhos modestos.

No front comercial, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse na segunda-feira que ele e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, devem viajar em breve para a China para uma nova rodada de negociações comerciais caso as conversas com autoridades chinesas nesta semana sejam bem-sucedidas.

Em solo chinês, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) injetou o equivalente a US$ 23 bilhões em liquidez via acordos de recompra reversa de 7 dias para dar apoio à segunda maior economia do globo, um dia após o governo chinês informar o menor crescimento trimestral do país em 27 anos. Por lá, o índice Xangai Composto caiu 0,16%, para 2.937,62 pontos. O menos abrangente Shenzen Composto recuou 0,03%, para 1.643,76 pontos.

Não só o PBoC tem agido para estimular a atividade. O Banco da Reserva da Austrália (RBA, na sigla em inglês), que, no início deste mês, cortou o juro básico para 1,0%, indicou, na ata do encontro, que pode ajustar sua política para apoiar o crescimento da economia australiana, deixando a porta aberta para novas reduções na taxa. Na Bolsa de Sydney, o índice S&P/ASX 200 encerrou a sessão com queda de 0,18%, cotado a 6.641,00 pontos, sob influência dos papéis da Rio Tinto (-0,64%), cujo relatório de produção trimestral desapontou os investidores.

Voltando de feriado, o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, fechou em queda de 0,69%, a 21.535,25 pontos. O sul-coreano Kospi, da Bolsa de Seul, subiu 0,45%, para 2.091,47 pontos. Já o Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, avançou 0,23%, para 28.619,62 pontos.