Economia

Bolsas asiáticas sobem após rali em NY, mas exportação chinesa limita ganhos

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira, inspiradas pelo rali visto em Nova York no fim da semana passada na esteira de números animadores do mercado de trabalho dos EUA, mas dados fracos de exportação da China limitaram os ganhos na região.

Na sexta-feira (06), os mercados acionários de Nova York saltaram para níveis próximos de máximas históricas após o relatório de emprego dos EUA (o chamado “payroll”) surpreender positivamente, com a geração de 266 mil postos de trabalho em novembro, resultado bem acima das expectativas.

Já no fim de semana, a última pesquisa da balança comercial chinesa decepcionou, com inesperada queda nas exportações de novembro, de 1,1% ante igual mês de 2018. A previsão de analistas era de alta de 1%. Por outro lado, as importações da China tiveram em novembro o primeiro avanço anual em sete meses, de 0,3%. Neste caso, economistas previam estabilidade.

A exportação chinesa é mais um sinal de como a segunda maior economia do mundo sente os efeitos de sua prolongada disputa comercial com os EUA. Desde outubro, EUA e China vêm tentando finalizar um acordo comercial preliminar. No próximo dia 15, entra em vigor um novo aumento de tarifas de Washington sobre produtos chineses.

Nos negócios da China continental, o índice acionário Xangai Composto teve leve alta de 0,08% hoje, a 2.914,48 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composite ficou praticamente estável, com ligeiro ganho de 0,01%, a 1.640,51 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei subiu 0,33% em Tóquio, a 23.430,70 pontos, o sul-coreano Kospi também mostrou valorização de 0,33% em Seul, a 2.088,65 pontos, e o Taiex avançou 0,44% em Taiwan, a 11.660,77 pontos. Revisão divulgada ontem apontou que o Produto Interno Bruto (PIB) do Japão cresceu a uma taxa anualizada de 1,8% entre julho e setembro, bem maior do que a estimativa preliminar de +0,2%.

O Hang Seng, por sua vez, registrou perda marginal de 0,01% em Hong Kong nesta segunda, a 26.494,73 pontos, após a onda de protestos no território semiautônomo ultrapassar a marca de seis meses. Manifestantes pró-democracia estão num impasse com o governo de Hong Kong desde o início de junho.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul pelo terceiro pregão seguido, e o índice S&P/ASX 200 avançou 0,34% em Sydney, a 6.730,00 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.