Economia

Bitcoin volta a quebrar recorde e acumula valorização de 1000% em 12 meses

O bitcoin voltou a quebrar mais um recorde nesta segunda-feira e ultrapassou os US$ 8 mil, chegando à cotação máxima de US$ 8.263,01, de acordo com a CoinDesk, uma das maiores consultorias de moedas virtuais. No acumulado de 12 meses, o bitcoin aponta valorização de 1000%, com o valor de mercado chegando a US$ 136,6 bilhões.

De acordo com analistas, o novo recorde se deu por causa da maior demanda institucional pela criptomoeda. Nesta segunda-feira, o CME Group detalhou os planos para o início das vendas de contratos futuros baseados em bitcoin, que deverá começar no dia 11 de dezembro, caso não haja contratempos regulatórios. Cada contrato será composto por 5 BTC e utilizará os índices de preço de bitcoin já existentes no CME Group.

Ao longo de 2017, o bitcoin renovou máximas sequenciais, ainda que de forma extremamente volátil, o que despertou curiosidade dos mais variados públicos, de grandes banqueiros a pequenos investidores.

Para o diretor-executivo do Morgan Stanley, James Gorman, o bitcoin é, por definição, “especulativo”. “Qualquer um que acredite estar comprando um investimento estável está se iludindo”, disse em entrevista ao canal CNBC na semana passada. Em outubro, seu colega do J.P.Morgan Chase, Jamie Dimon, um dos críticos mais ferrenhos da moeda virtual, chamou a moeda virtual de “fraude”.

Diante das recentes discussões sobre a legalidade do bitcoin, o Banco Central do Brasil publicou na última quinta-feira um comunicado alertando para os riscos decorrentes das operações com criptomoedas. “Não foi identificada, até a presente data, pelos organismos internacionais, a necessidade de regulamentação desses ativos”, disse a autoridade monetária no comunicado. No Brasil, o preço de um único bitcoin passou de R$ 28 mil nesta segunda-feira nas duas maiores bolsas de moedas virtuais, a Mercado Bitcoin e a FoxBit.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

A ausência de um órgão regulador, no entanto, não parece afetar os entusiastas das moedas virtuais – muito pelo contrário. Associado a atividades ilegais desde a sua criação, o bitcoin está aos poucos conseguindo mudar essa imagem após receber votos de confiança de grandes empresas que passaram a aceitar a moeda como forma de pagamento, como a Microsoft, Dell, Wikipedia, Tesla, entre outras. Além disso, rumores do mercado financeiro apontam que o Goldman Sachs estaria avaliando uma nova operação de negociação dedicada a moedas virtuais.

Veja também

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

bitcoin recorde