Mundo

Biden pede a Putin para aliviar tensões na Ucrânia

Biden pede a Putin para aliviar tensões na Ucrânia

Um soldado ucraniano monta guarda perto da cidade de Marinka, na região de Donetsk - AFP


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta terça-feira (13) ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, que alivie as crescentes tensões com a vizinha Ucrânia, aumentando a rejeição das tropas russas na fronteira ucraniana, o que gera alarme entre os aliados da Otan.

Biden “enfatizou o compromisso inabalável dos Estados Unidos com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”, disse a Casa Branca, relatando um telefonema a Putin.

O destacamento de tropas russas nos últimos dias perto da fronteira com a Ucrânia e na península da Crimeia, que Moscou anexou em 2014, tem gerado preocupação nos países ocidentais.

De acordo com os Estados Unidos, o número de soldados russos está em seu nível mais alto desde 2014, quando eclodiu o conflito com separatistas pró-russos.

Biden expressou “preocupação (dos Estados Unidos) com o repentino comício militar russo na Crimeia ocupada e nas fronteiras da Ucrânia, e pediu à Rússia que reduza as tensões”, disse a Casa Branca em um comunicado, acrescentando que Biden propôs a Putin realizar uma cúpula em um terceiro país “nos próximos meses.”


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



O Kremlin afirmou que “ambas as partes manifestaram a sua vontade de continuar o diálogo sobre os temas mais importantes para garantir a segurança global”.

O executivo russo confirmou que Biden havia proposto uma reunião com Putin, mas não disse se Putin concordou.

Se realizada, seria a primeira cúpula entre Biden e Putin, que teve uma com o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump na Finlândia em 2018.

Durante a conversa com Biden, Putin descreveu – segundo o Kremlin – as propostas de uma solução política para o conflito ucraniano, com base nos acordos de Minsk de 2015 que a Rússia acertou com a França, Alemanha e Ucrânia, mas cujo componente político nunca foi aplicado.

– “Nos mantemos vigilantes” –

A ligação entre Biden e Putin foi feita em um momento em que o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, se reuniu em Bruxelas com altos funcionários de países da OTAN, incluindo o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o chefe da aliança transatlântica, Jens Stoltenberg.

“A Rússia deve pôr fim a este aumento militar na Ucrânia e ao redor dela, parar suas provocações e reduzir a escalada imediatamente”, disse Stoltenberg, chamando a concentração de tropas russas de “injustificada, inexplicável e profundamente perturbadora”.

Em declarações transmitidas pela televisão, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, respondeu que Moscou destacou tropas para “exercícios de treinamento de combate” em resposta aos movimentos militares da OTAN “que ameaçam a Rússia”, e especificou que as manobras serão concluídas em duas semanas.

A Ucrânia, uma ex-república socialista soviética com ambições de ingressar na Otan, está buscando o apoio das potências ocidentais, além de impedir qualquer nova agressão de Moscou.

“A Rússia não será mais capaz de surpreender ninguém. A Ucrânia e nossos amigos continuam vigilantes”, disse Kuleba ao se reunir com Stoltenberg e Blinken. Blinken insistiu no apoio de Washington a Kiev, dizendo que as “aspirações euro-atlânticas” do país serão discutidas na aliança.

Alguns membros da Otan mostram-se relutantes com a eventual incorporação da Ucrânia, considerando que o gesto aumentaria exponencialmente as tensões na região.

Em um novo relatório divulgado nesta terça-feira, o diretor de inteligência nacional dos EUA disse que a Rússia “continuará os esforços de desestabilização contra a Ucrânia”. Ele concluiu, porém, que Moscou “não quer um conflito direto” com Washington.

– “Barril de pólvora” –

A Rússia alertou a Otan para não se envolver mais na Ucrânia, acusando os países ocidentais de transformar a área em um “barril de pólvora”.

“Os Estados Unidos e outros países da Otan estão deliberadamente transformando a Ucrânia em um barril de pólvora”, disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, segundo as agências de notícias russas, acrescentando que os países estão aumentando seu fornecimento de armas à Ucrânia.

“Se houver alguma circunstância agravante, é claro que faremos todo o possível para garantir nossa segurança e a segurança de nossos cidadãos, onde quer que estejam”, disse Ryabkov.

“Mas Kiev e seus aliados no Ocidente serão totalmente responsáveis pelas consequências de uma exacerbação hipotética”, acrescentou.

Na manhã de terça-feira, um soldado ucraniano foi morto e mais dois feridos perto da aldeia de Mayorske, cerca de 35 quilômetros ao norte da fortaleza separatista de Donetsk, quando um drone lançou granadas nas posições das tropas em Kiev, disse.

A última vítima elevou o número de soldados ucranianos mortos desde o início do ano para 29, em comparação com 50 em todo o ano de 2020.

O Kremlin disse que não prevê uma guerra com a Ucrânia, mas também acrescentou que “não ficará indiferente” ao destino da população de língua russa no leste do país.

De acordo com a Ucrânia, os separatistas pró-russos somam 28.000 combatentes e mais de 2.000 conselheiros e instrutores militares russos.

burs-co/ad/lda/jc/mvv

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS