Esportes

Bia Maia faz história e vai à final do Australian Open

Paulistana é a primeira brasileira em uma final de Grand Slam após 54 anos

Bia Maia faz história e vai à final do Australian Open

Beatriz Haddad Maia segue fazendo história para o tênis feminino brasileiro. Na noite desta quarta-feira ela e a cazaque Anna Danilina se classificaram para a final do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, jogado no piso duro.


Bia Maia e Danilina superaram as japonesas Ena Shibahara e Shuko Ayoama, cabeças de chave 2, por 2 sets a 1 com parciais de 6/4 5/7 6/4 após 2h19min de duração na quadra Rod Laver, a principal de Melbourne Park. Esta é a primeira vez que uma brasileira joga a final de um Grand Slam desde Maria Esther Bueno em 1968, ou seja, há 54 anos. Somando duplas mistas, é a primeira desde Claudia Monteiro em 1982 em Roland Garros quando a brasileira atuou com Cassio Motta ficando com o vice-campeonato. No Australian Open, Maria Esther foi campeã em 1960 nas duplas e vice em simples em 1965.

Bia e Danilina tentarão o título, no domingo à 1h da madrugada, em final contra a dupla principal favorita, das tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, e da dupla da russa Veronika Kudermetova e a belga Elise Mertens, atual campeã do torneio (junto com a bielorrussa Aryna Sabalenka). A dupla da brasileira está invicta com título no WTA 500 de Sydney, na Austrália, onde na caminhada também derrubaram Shibahara e Ayoama. Pela campanha a brasileira já vai subindo do 150º para o 41º lugar no ranking mundial, o que é o melhor da carreira. Se for a campeã será a 27ª.

O jogo

A dupla de Bia e Danilina entrou muito sólida na partida conseguindo uma quebra de cara, mas sofreram o empate. O jogo seguiu parelho até nova quebra no nono game com a brasileira segurando bem na rede. Elas fecharam com autoridade por 6/4.

No segundo set a quebra veio cedo e a dupla da brasileira sustentava o serviço. Bia sacou para a vitória no 5 a 4, mas a parceira não ajudou na rede, a brasileira ficou nervosa e deu uma dupla-falta. A energia caiu, as asiáticas aproveitaram, quebraram de novo e fecharam por 7/5.

Mas, Haddad e Danilina reagruparam, quebraram no terceiro game, abriram 3 a 1, mantiveram bem o serviço e dessa vez Bia não falhou, fechou com autoridade no saque e um smash definidor da cazaque.