Edição nº2586 19/07 Ver edições anteriores

Bebianno deixa o governo, mas fica na direção do PSL

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, deixa o governo Bolsonaro, mas não vai sair “atirando” ou fazendo qualquer denúncia contra o presidente Jair Bolsonaro ou seus familiares, como chegou a se cogitar nos bastidores da política em Brasília. “Bebianno vai sair quieto. Não vai atirar em ninguém, mas vai sair de cabeça erguida”, disse uma fonte ligada ao secretário-geral da Presidência. Ou seja, Bebianno não vai aceitar nenhuma estatal (Bolsonaro chegou a sugerir a presidência de Itaipu) ou mesmo a Embaixada de Roma, como chegou a circular hoje em Brasília. Na verdade, Bebianno chegou a um estágio no qual não tem mais como ficar no governo. Bolsonaro e seus filhos não o querem desde o final da semana passada e mesmo os militares que queriam sua permanência, já não querem mais que ele fique. Assim, Bebianno fez um acordo com Bolsonaro. Vai voltar à militância política no PSL, partido do qual é vice-presidente. Além disso, Bebianno, que é advogado, voltará para seu escritório de advocacia e para exercer a profissão, ao lado da mulher Renata.

Mais cedo, Bebianno deu declarações de que estava cansado de ameaças que lhe eram feitas e que ele poderia retrucar as ameaças. “Devolverei as ameaças ao triplo”. Todo mundo sabe em Brasília que Bebianno é um homem que sabe demais. No início da campanha, em 2017, quando Bolsonaro ainda não era nada, quem andava com o então pré-candidato para cima e para baixo era Bebianno. Os dois eram unha e carne. Bebianno, portanto, tornou-se um homem-bomba. Sabe muito e pelo jeito até coisas que não deveria saber. Tanto sobre a campanha de Bolsonaro, como as campanhas dos filhos (Carlos, Flávio e Eduardo), como também sobre como as campanhas foram financiadas, etc. Sabe muito. Por isso, quando ele diz que não tem medo de ser demitido, que está tranquilo, é porque ele tem Bolsonaro nas mãos por vários motivos. Afinal, Bebianno anda mostrando que tem um arsenal nas mãos. Disse no final de semana para O Globo que o problema não era o “pimpolho” (o vereador Carlos Bolsonaro, que o detonou), mas o problema era o Jair Bolsonaro. Disse também que vai ter que pedir desculpas ao país por ter ajudado a eleger Jair Bolsonaro.

Ou seja, por tudo o que ele falou, já deveria ter sido demitido. Mas Bolsonaro deixou vazar no final de semana que Bebianno seria demitido no Diário Oficial desta segunda-feira. E nada saiu. Depois, fontes do governo informaram que Bebianno estaria no Diário Oficial extra ainda hoje. E nada saiu. Mas deve sair. A decisão já está tomada. O problema é o que aconteceu nesse meio tempo. O que Bolsonaro negociou com Bebianno para ele sair calado, “sem atirar” em Bolsonaro. Se o próprio Bebianno disse domingo na porta do hotel em que está hospedado em Brasília que iria falar muita coisa, por que agora resolve sair calado, sem atirar? O que foi conversado com ele? O que ele não vai revelar mais? Qual o acordo que foi feito? Tudo bem, Bebianno sai quieto, volta a advogar e retoma a vice-presidência do PSL. Pelo menos não morre politicamente. Ainda fica vivo. Ele e os segredos que carrega. Bolsonaro ficará eternamente refém de Bebianno. Um problema que Bolsonaro e seus filhos não precisavam ter criado. Agora, Bolsonaro fica refém não só de Bebianno mas também de toda a classe política. Sabendo que Bolsonaro tem a guarda descoberta, os políticos vão chantageá-lo do jeito que puderem. Cargos aqui, uma emenda ali, e logo estaremos restabelecendo a velha política do toma-lá-dá-cá. O rei está nu.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.