Medicina & Bem-estar

Bebês do futuro

O nascimento da primeira criança americana após transplante de útero mostra que o método se consolida como opção a mulheres que não podiam gerar filhos

Crédito: Divulgação

É UM MENINO O garoto, que teve a identidade preservada, nasceu saudável (Crédito: Divulgação)

Ele nasceu há um mês no hospital da Baylor University Medical Center, nos Estados Unidos. Teve seu nome, o nome dos pais e o endereço preservados para que a privacidade da família seja respeitada. É um cuidado a mais para o menino – retratado na foto acima – que se tornou a primeira criança nos EUA a nascer após a mãe ser submetida a um transplante de útero.

O anúncio de seu nascimento ocorreu na semana passada e deixou entusiasmados médicos e pacientes de todo o mundo. Provou que a aplicação do método pode ser replicada por instituições ao redor do planeta. Desde 2014, apenas o hospital sueco da universidade Sahlgrenska, em Gotemburgo, havia sido bem-sucedido na adoção da técnica. Oito bebês nasceram por lá depois de transplantes uterinos. “É importante quando reproduzimos com sucesso novos métodos”, afirmou a médica Liza Johannesson, ex-integrante do time de especialistas suecos e hoje membro do grupo da Baylor University. “Vi muitos nascimentos, mas este foi especial.”

O transplante de útero foi criado para servir de última opção à mulheres que desejam ter filhos mas, ou nasceram sem o órgão, ou tiveram doenças que obrigaram sua remoção ou prejudicaram sua funcionalidade. É um procedimento complexo. A cirurgia para a extração do útero é delicada e o implante tem grau de dificuldade que se aproxima ao de um transplante de fígado, o mais desafiador de todos. A concepção deve ser feita por fertilização in vitro (união de óvulo e espermatozóide em laboratório).

A possibilidade de dar à mulheres a oportunidade de gerar um filho, no entanto, move os especialistas. E faz crescer entre as pacientes a perspectiva de ver um sonho realizado. Após o nascimento das crianças, o órgão é removido para que as pacientes não precisem tomar remédios anti-rejeição a vida toda.
C. P.

Até hoje, nove bebês nasceram a partir da técnica. Oito na Suécia