Brasil

Bebê consegue reconhecer sons e a falar ‘mamãe’ com aparelho de hospital da USP

Crédito: Reprodução

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (Crédito: Reprodução)

O que para muitos parece uma simples ação de dizer mamãe e reconhecer sons do cotidiano, para David Gabriel Vicente de Souza, de 2 anos, foi uma conquista realizada na última semana, conforme apuração do G1.

A ajuda para que o feito fosse possível foi conseguida por meio de uma tecnologia do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC) da USP, em Bauru, no interior paulista.

De acordo com a USP, o hospital em Bauru é o primeiro no Brasil a oferecer esse tipo de tecnologia através da rede pública. O aparelho que David recebeu no último dia 16 de outubro é uma banda elástica (softband) com processadores de áudio para os dois ouvidos.

Natural de Joinville, no interior catarinense, David nasceu com síndrome de Treacher Collins e Sequência de Pierre Robin, complicações que prejudicam a formação dos ossos do rosto e também causam a perda da audição de modo avançado.

Com este quadro de saúde, o menino foi transferido para a UTI pediátrica do hospital da USP em Bauru. Na unidade, ele passou por cirurgias e um tratamento com fonoaudiólogas.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

“Eu sabia que ele escutava alguma coisa. Quando a gente falava bem alto com ele, ele escutava o barulho, mas ficava perdido por não saber de onde vinha”, explica a mãe ao G1.

Bebê consegue reconhecer sons com ajuda de hospital da USP (Divisão de Saúde Auditiva/HRAC-USP) (Crédito:Divisão de Saúde Auditiva/HRAC-USP)

O aparelho permitiu ao menino reconhecer sons e até falar a palavra “mamãe”.

“Quando colocaram o aparelho e cantaram para ele, ele chorava e olhava pra mim com aquela carinha tipo: ‘Mãe, o que está acontecendo?’ Não tenho palavras para explicar como foi a hora que ele escutou”, conta a mãe.

“Eu quero que ele veja o aparelho como uma coisa boa. Aí toda vez que a gente coloca o aparelho, minha filha mais velha já vem com uma musiquinha no celular e a mais nova dançando”, explica Rosangela.

A mãe de David, Rosangela Borges, disse que ficou surpresa com a rapidez que o filho conseguir ter acesso ao aparelho e que a conquista valoriza ainda mais a longa viagem de 700 km que a família faz até o interior paulista.

“A gente vê tanta mudança nele, então cada viagem é uma vitória. Se eu tivesse que ir a cada 15 dias eu ia, porque cada vez ele volta diferente”, comemora a mãe.

Veja também

+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Ex-jogadora de futebol, Madelene Wright, começa a vender fotos sensuais após ser demitida do time
+Iveco fornecerá 1.048 caminhões blindados 8×8 ao Exército Alemão
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel