Economia

BCE deveria restringir QE a situações excepcionais, diz Weidmann

Jens Weidmann, integrante do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE) e presidente do Bundesbank (o BC alemão), disse hoje que compras de bônus pelo BCE deveriam se restringir a “situações excepcionais” e “de forma alguma” deveriam se tornar um instrumento de política permanente.

Em 1º de novembro, o BCE vai retomar o chamado programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês), através do qual comprará 20 bilhões de euros em bônus soberanos e outros ativos mensalmente. O novo QE faz parte de um amplo pacote de estímulos monetários anunciado pelo BCE em meados de setembro.

Weidmann, que é um tradicional crítico da política ultra-acomodatícia do BCE, fez o comentário durante conferência do Bundesbank, em Frankfurt.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

BCE QE Weidmann