Economia

BCE adotou novas medidas de estímulo para impulsionar inflação, diz Draghi

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse hoje que as novas medidas de estímulo anunciadas pela instituição têm como objetivo impulsionar a inflação na zona do euro, que tende a desacelerar até o fim do ano.

Mais cedo, o BCE anunciou que fará uma terceira rodada de Operações de Refinanciamento de Prazo Mais Longo Direcionadas (TLTROs, na sigla em inglês), que são empréstimos de baixo custo destinados a bancos.

A princípio, as TLTROs serão oferecidas entre setembro deste ano e março de 2021, com possibilidade de que esse período seja estendido se necessário, afirmou Draghi, durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão de política monetária do BCE.

Segundo Draghi, haverá uma necessidade acumulada de financiamento bancário nos próximos anos devido ao vencimento das TLTROs atuais e de um grande volume de bônus bancários, além de fatores regulatórios.

Draghi comentou que a decisão sobre as novas TLTROs foi tomada com base na necessidade de financiamento dos bancos e reflete mudanças nas condições econômicas da zona do euro. Ele disse esperar que as TLTROs favoreçam o ambiente para o crédito bancário.

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

As TLTROs, com vencimento de 2 anos, terão juro flutuável atrelado à principal taxa básica do BCE, a de refinanciamento, que é atualmente de 0%. Mais detalhes sobre as TLTROs serão reveladas no momento oportuno, disse Draghi.

Como parte da nova postura acomodatícia, o BCE também anunciou pela manhã que manterá seus juros básicos nos baixos níveis atuais “até pelo menos o fim de 2019”. Anteriormente, o BCE planejava manter os juros inalterados até o fim do verão europeu deste ano.

De acordo com Draghi, o frágil desempenho econômico da zona do euro ainda exige “significativa” acomodação da política monetária do BCE e as medidas de hoje foram motivadas por dados recentes, que levaram a instituição a cortar suas projeções de crescimento econômico e de inflação para os próximos anos (veja nota publicada às 11h35). O avanço moderado da economia da zona do euro deverá persistir em 2019, destacou ele.

Draghi comentou ainda que a decisão do BCE de ampliar estímulos monetários foi unânime entre os dirigentes de seu conselho diretor, mas enfatizou que a instituição não discutiu sobre o programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês). O QE, pelo qual o BCE comprava mensalmente bilhões de euros em bônus de governos e outros ativos, foi encerrado em dezembro.

Ainda segundo Draghi, a tendência de desaceleração da zona do euro vem em meio a incertezas externas, como o arrefecimento do comércio global, a questão do Brexit – como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia – e vulnerabilidades em países emergentes, como a China, assim como fatores locais, como a difícil situação econômica da Itália, que entrou em recessão técnica no fim do ano passado. Ele avaliou, porém, que as novas providências do BCE aumentam a “resiliência” da zona do euro.

Draghi também afirmou que o BCE alterou o calendário para suas diretrizes de setembro para dezembro e que as decisões tomadas hoje reforçam a credibilidade de sua orientação futura.

Veja também

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

BCE Draghi