Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

O Big Brother Brasil 22 começou na última segunda-feira (17) e já deu o que falar nas redes sociais. Natália, uma das participantes, afirmou que os negros foram escravizados porque “eram bons” no que faziam. A fala polêmica rendeu debates dos internautas, e chegou a receber posicionamentos de Zezé Motta e Érico Brás.

+ Ex-diretora de programas do Faustão fala sobre estreia do apresentador na Band
+ ‘Foi obrigado’, diz Yanna Lavigne sobre Bruno Gissoni não opinar em escolha do nome da filha

“Sou preta. Realmente tem a história que a gente veio e viemos como escravos, sim. Por quê? Porque a gente era eficiente. Por quê? Porque a gente era forte. Por que é que a gente veio como escravo? Porque a gente era bom no que a gente fazia. Por isso, porque talvez se colocasse uma pessoa lá para fazer aquilo, talvez não conseguiria”, disse Natália.

“A questão racial no Brasil está além das discussões nas redes sociais e grupos bolhas das quais participamos. Para além do que estamos acostumados ou até mesmo viciados em discutir estão os efeitos do racismo na vida de pessoas pretas que estão fora do nosso circuito. Esses efeitos que se manifestam diariamente são os verdadeiros reflexos, atualizados, das mazelas escravagistas no Brasil. Por fim, digo que nem todo negro ou negra sabe de fato o que foi a escravização dos africanos e sequer sabe a causa desse crime contra a humanidade chamado racismo”, debateu Érico Brás nas redes sociais.

“Eu depois de assistir ao vídeo com a fala da BBB Natália. Infeliz, insensata, porém não estou aqui pra apontar uma outra mulher. Não é sobre isso… é sobre a fala da moça, isso reforça que vivemos num país extremamente omissor com as nossas raízes. Infelizmente o nosso povo não possui informação, somos fruto de um país carente de informação e ainda negacionista. Nosso povo não conhece sua própria história. A Natália foi infeliz em sua fala pois não conhece a nossa história. Sua fala é o cenário em que se encontra o Brasil. A nossa história infelizmente não é ensinada nas escolas, nas universidades… e olha que existe uma lei para isso, vocês sabiam? Lembro-me muito bem que depois de muitas idas e vindas para Brasília, no ano de 2003, o Movimento Negro comemorou a LEI No 10.639, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira, só que isso não passou, mais uma vez, simplesmente de apenas uma lei”, disse a atriz.

Confira o momento em que Natália fala sobre a escravidão: