Esportes

Barcelona disse ‘não’ para o brasileiro Douglas Costa

Nome do jogador foi especulado em possível troca com Arthur, mas catalães recusaram e contrataram Pjanic. Brasileiro também está sendo oferecido para o futebol inglês

Barcelona disse ‘não’ para o brasileiro Douglas Costa

O Barcelona não quis a contratação do brasileiro Douglas Costa na operação que levou Arthur para a Juventus, segundo a imprensa catalã. Recentemente, na Itália, cogitaram a ida do brasileiro em um novo negócio com Ousmane Dembélé, mas a idade, o histórico de lesões e as poucas oportunidades na última temporada jogam contra o ponta.

O atacante francês em que o Barcelona apostou muito dinheiro já disse não para o Liverpool de Jurgen Klopp, então a expectativa é de que ele permaneça na Catalunha. Enquanto isso, a Velha Senhora tenta se desfazer de Douglas Costa e o brasileiro é especulado na Inglaterra, principalmente no Manchester United e Wolverhampton.

Aos 30 anos e com contrato até 2022, o jogador participou pouco da última campanha da Juventus, tendo feito apenas 29 jogos, anotando três gols e dando sete assistências. No entanto, a maioria das suas partidas foram entrando do banco de reservas e sendo pouco aproveitado dentro do elenco que conta com Cristiano Ronaldo e Dybala na mesma posição.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar