ISTOÉ Gente

Bárbara Paz retorna às novelas após quatro anos longe da TV: ‘Estou muito feliz’

Crédito: Reprodução/Instagram

Bárbara Paz retorna às novelas após quatro anos longe da TV: 'Estou muito feliz' (Crédito: Reprodução/Instagram)

Bárbara Paz, de 47 anos, está feliz da vida por seu retorno às novelas, após quatro anos longe da TV. Em entrevista ao site O Dia, a atriz falou sobre sua nova personagem, a vilã Úrsula,  em “Além da Ilusão”, novela das 18h da TV Globo.

+ ‘Ela é negra e lésbica’: Funcionária denuncia cliente por racismo e lesbofobia
+ Leo Picon alfineta Naiara Azevedo por pedir camarim individual


“Estou muito feliz de estar de volta. Foi quatro anos longe e no começo foi meio estranho voltar, achei que não sabia mais fazer (novela). A gente fica longe e aí vem uma confusão mental. Mas é um prazer. A gente é mordido pelo bicho da atuação e vai embora”, conta Bárbara.

Questionada sobre a personagem, a artista disse: “A Úrsula é uma vilã, dependendo do ponto de vista. Toda vilã, todo ser humano, tem um coração. Ela é uma mulher muito misteriosa, ninguém sabe do passado dela. Ela chega nessa família, é uma espécie de governanta, cuida do Eugênio como se fosse um marido. Ela trabalha na casa, mas quer ser da família. É uma mulher muito ambiciosa e apaixonada por esse homem. Mais apaixonada ainda por dinheiro, mais apaixonada ainda por ter um nome, por ter um pedigree, e ela vai passar em cima de muita gente para conseguir o que quer”.

“Ver os anos 40, como foi essa libertação da mulher, como que era viver isso… É bom a gente estar discutindo de uma forma leve, apesar de ter temas pesados, mas discutir algo que é a história do nosso país”. Ela também conta que a novela foi afetada pela pandemia da Covid-19, mas que toda a equipe e o elenco fizeram um bom trabalho. “(A pandemia) Não interferiu porque a gente tem que fazer do mesmo jeito. É uma readequação e um novo modo de fazer, tem que colocar no ar e nós somos as peças que têm que ajudar isso a acontecer.”

“É um time, todo mundo tem que estar junto. A gente perde ali e ganha aqui. Pelo contrário, a gente ficou mais junto. A gente se uniu mais, conversou mais. Talvez em outro momento, não conversaríamos certas coisas. A gente foi obrigado a conversar, foi obrigado a se juntar”, finalizou.