Economia

Balanço da Oi mostra queda de faturamento em todas as linhas de negócio

O balanço da Oi referente ao terceiro trimestre de 2019 apresentou queda no faturamento de todas as suas linhas de negócio em comparação com o mesmo intervalo de 2018. As baixas ocorreram nos segmentos: residencial, que concentra telefonia fixa, banda larga e TV por assinatura (-13,5%), mobilidade, onde está a telefonia móvel pré e pós-paga (-2,2%) e serviços prestados para empresas, no jargão B2B (-7,9%).

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

A Oi explicou que todos os segmentos continuam sendo impactados pela queda do tráfego de voz. Por outro lado, o crescimento da receita de dados do segmento de mobilidade, da receita de fibra ótica e de TI corporativa compensaram parcialmente essa queda. A tele informou ainda que sofreu uma queda de 6,2% na base de clientes, chegando a 55,191 milhões.

No segmento residencial, a base de clientes caiu 10,8%, para 13,532 milhões. A receita média por usuário (Arpu, na sigla em inglês) do segmento residencial foi de R$ 79,2, queda de 1,2%.

Houve queda na quantidade de clientes de telefonia fixa (-12,8%), banda larga (-9,7%) e TV por assinatura (-3,6%). A Oi reiterou que o plano de expansão da fibra ótica é a principal alavanca para a reversão da trajetória da receita do segmento residencial.

A companhia chegou ao fim do trimestre com 3,6 milhões de casas passadas com fibra. A meta é 4,6 milhões no fim de 2019 e 16 milhões no fim de 2021.

No segmento de mobilidade, a base de clientes encolheu 4,8%, para 34,703 milhões. A baixa foi puxada pelas linhas pré-pagas, com redução de 11,8%. Já o setor pós-pago avançou 22,8%.

O Arpu móvel da companhia ficou em R$ 16,3 no trimestre, valor 1,2% superior. A Oi explicou que a retração do segmento de mobilidade deve-se ao processo de migração de voz para dados, à lenta recuperação econômica e às altas taxas de desemprego.

E no segmento corporativo, foi registrada alta de 2,1% no base de clientes. A recuperação econômica mais lenta é um dos fatores que vem retardando a recuperação do segmento, em especial na área de médias empresas, explicou a Oi.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Peugeot apresenta sua primeira moto feita em parceria com a Mahindra

+ A Fazenda 12: Jojo Todynho causa e pede óleo ungido a Edir Macedo

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea