Mundo

Intensa busca por avião militar chileno que sumiu a caminho da Antártica

Crédito: Reprodução/ TV Globo

Aviões e barcos de resgate de vários países procuravam nesta terça-feira (10) uma aeronave da Força Aérea do Chile (FACH) que desapareceu na véspera com 38 pessoas a bordo quando seguia para a Antártica.

“Estamos fazendo todos os esforços humanamente possíveis para poder encontrá-los, apesar de que as condições são extremamente difíceis”, afirmou nesta terça-feira o presidente Sebastián Piñera, que devido à emergência suspendeu uma viagem que tinha prevista a Buenos Aires para assistir à posse de Alberto Fernández.

O avião Hércules C-130 decolou às 16H55 de segunda-feira da base Chabunco da FACH em Punta Arenas (3016 km ao sul de Santiago, no extremo sul do Chile), rumo à base Eduardo Frei na Antártica e perdeu comunicação por rádio às 18H13.

O avião foi declarado “sinistrado” sete horas após o incidente, informou a FACH, que indicou que o C-130 tinha combustível para permanecer no ar até 00H40 de terça-feira.

“Uma amerissagem é possível”, afirmou Eduardo Mosqueira, comandante da IV Brigada Aérea em Punta Arenas.

No boletim divulgado nesta terça-feira, a FACH informa que os “trabalhos de busca foram intensificados”, com a ajuda de 13 aviões, incluindo duas aeronaves C-130 da Força Aérea do Uruguai e da Argentina, dois navios mercantes e dois da Marinha do Chile.

Às tarefas de busca se somam, além disso, dois aviões da força aérea do Brasil e um barco polar da Marinha do país, após uma oferta de ajuda do presidente Jair Bolsonaro.

“Acabo de falar com o presidente @jairbolsonaro, que nos ofereceu toda a ajuda do Brasil nas tarefas de busca do avião da @FACh_Chile. Com a ajuda de muitos estamos fazendo todos os esforços humanamente possíveis nas tarefas de busca do avião”, disse Piñera em sua conta do Twitter.

“Estamos fazendo todos os esforços, acreditem, imagináveis, humanos e materiais com aviões, navios, satélites nacionais e apoio estrangeiro para tentar localizá-los. Sabemos que as condições são muito difíceis”, disse o ministro da Defesa, Alberto Espina, a jornalistas em Punta Arenas, aonde foi o chefe da FACH, Arturo Merino, para coordenar os trabalhos de buscas.

“Prometemos a vocês que vamos esgotar todos os meios que estiverem ao nosso alcance e não vamos poupar nenhum esforço para consegui-lo”, acrescentou.

A bordo do C-130 Hércules viajavam 38 pessoas – 17 tripulantes da aeronave e 21 passageiros -, incluindo 15 oficiais da FACH, três do Exército, dois funcionários da empresa privada de construção Inproser e um funcionário da Universidade de Magallanes.

As pessoas viajavam para cumprir tarefas de apoio logístico na base Eduardo Frei, a maior do Chile na Antártica: a revisão do oleoduto flutuante de abastecimento de combustível da base e o tratamento anticorrosivo das instalações.

Parentes das pessoas a bordo seguiram para a base área Los Cerrillos, na região metropolitana de Santiago, aguardar notícias da busca.

A FACH cancelou uma coletiva de imprensa na terça, alegando que toda a informação disponível já tinha sido passada à imprensa, mas reforçou que os parentes estão recebendo apoio psicológico.

Enquanto isso, uma fonte da FACH disse à AFP em Punta Arenas que os parentes das vítimas iriam na quarta-feira para o extremo sul do país.

– Sem notícias –

A aeronave perdeu comunicação quando sobrevoava o mar de mar de Drake, uma passagem marítima entre o continente americano e a Antártica, considerado pelos marinheiros como a mais tempestuosa do planeta.

“As condições meteorológicas para voar eram boas, por isto o voo foi planejado”, disse Francisco Torres, diretor de operações da FACH.

A operação de busca “a fim de resgatar possíveis sobreviventes” se concentra dentro do raio de 60 milhas a partir da zona onde foi perdido o contato com a aeronave.

O avião tem sistema ELT que indica sua posição por satélite, mas durante a madrugada o dispositivo não permitiu localizar a aeronave.

O último acidente com essas características no Chile ocorreu em setembro de 2011, quando um avião militar com 21 pessoas a bordo caiu perto da ilha Robinson Crusoé, no meio do oceano Pacífico, a cerca de 700 km do continente. Na aeronave viajava uma equipe de televisão, incluindo o famoso apresentador local Felipe Camiroaga.

Este acidente foi alvo de investigações e a FACH apresentou acusações administrativas contra 13 oficiais, entre eles dois generais, enviados para a reforma por responsabilidade.