Economia

Aversão ao risco no exterior cresce e juros futuros fecham em alta

A aversão ao risco voltou com tudo sobre os mercados nesta quarta-feira e o segmento de juros, mesmo diante do reforço do viés desinflacionário global, não escapou e fechou com taxas em alta, mais pronunciada nos vencimentos intermediários e longos. Porém, o avanço, na média em torno de 10 pontos-base, das principais taxas mostra que os ativos de renda fixa doméstica foram menos penalizados pela tormenta externa, comparativamente ao câmbio e às ações. Mesmo com o dólar acima de R$ 4, a inclinação da curva foi limitada pela percepção de que o contexto externo pode reforçar o ciclo de afrouxamento monetário no Brasil, enquanto o noticiário positivo em torno das reformas vindo de Brasília também tem funcionado com um filtro.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 subiu de 5,389% ontem no ajuste para 5,46%. A do DI para janeiro de 2023 fechou em 6,47%, de 6,361% no ajuste anterior. E a do janeiro de 2025 encerrou em 6,95%, de 6,871%.

A inversão da curva da T-Note de 2 e 10 anos nos Estados Unidos pela manhã, vista como forte prenúncio de recessão, e dados ruins nas economias da Europa e da China formaram o cenário que castigou ativos de economias emergentes. Ao mesmo tempo, na Argentina, o mercado vai digerindo mal a hipótese, considerada muito provável, da oposição kirchnerista assumir o poder na eleição de outubro, o que afunda o peso argentino e traz alguma contaminação a seus pares, como o real.

Para a curva local, contudo, o movimento ascendente das taxas é considerado como uma consequência da recomposição de carteiras que normalmente acontece em dias como esta quarta. “É cada vez mais claro que o ambiente é recessivo lá fora e isso não altera a percepção dos fundamentos aqui. Podemos ter essas variações na curva por ajustes técnicos”, disse o economista-chefe da Guide Investimentos, João Mauricio Rosal. Mesmo a pressão no câmbio, por ora, não compromete as apostas de queda da Selic porque o hiato do produto está num nível de abertura tão grande que é difícil haver espaço para repasse da alta do dólar aos preços.

A percepção de avanço das pautas econômicas do Congresso também ajuda a conter a inclinação da curva, na medida em que traz melhora na perspectiva para a área fiscal. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, reiterou que “o cronograma da reforma da Previdência está bem encaminhado” para aprovação da proposta no começo de outubro, enquanto a Câmara na terça aprovou o texto-base da MP da Liberdade Econômica e nesta quarta deve votar os destaques.

Veja também

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Após cogitar ficar longe da TV, Edu Guedes estreia na Band e ‘rouba’ horario de Mariana Godoy

+ Uma moto 0km, desde 1977 na caixa, vai a leilão e valor pode chegar a mais de R$ 190mil

+ Kit transforma BMW R nineT em réplica de moto dos anos 1930

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

taxas de juros