Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Daniel Franzese, de 44 anos, relembrou ter passado por uma terapia para “curar” a sua homossexualidade. O ator ficou conhecido por estrelar no filme “Meninas Malvadas”. Ao Page Six, o ator disse ter sofrido “lavagem cerebral” para cortar os laços com sua mãe e passar por uma terapia de conversão para “convertê-lo” à heterossexualidade quando tinha 21 anos em 1999, cinco anos antes de estrelar como Damian no longa.

O ator, que atualmente está trabalhando na peça “Italian Moms Love You!”, explicou que se obrigou a se submeter à prática pseudocientífica da terapia de conversão porque “não queria ser gay” e “não sabia o que fazer” como parte de sua fé cristã católica e pentecostal.

Franzese acrescentou que o “mundo ao seu redor” o fez “sentir que ser gay não era bom”. Daniel trabalhou com um terapeuta de conversão que “costumava ser gay” por seis meses sendo recomendado pelo pastor da avó dele. “Fui a sessões de terapia individual com uma pessoa que estava tentando me transformar em heterossexual e me fazer rezar para afastar os gays e alienar todos os meus aliados”, disse, incluindo sua mãe.

“Eles me disseram para dizer à minha mãe que minha mãe era porque eu estava inclinado a pensamentos bissexuais ou qualquer outra coisa, porque ela era tão aberta. Eles me fizeram sair do armário para minha mãe, que era literalmente minha melhor aliada, e dizer: ‘A culpa é sua’”. Daniel não falou com sua mãe por dois meses até que ele finalmente abordou seu medo.

“Eu estava, tipo, com medo. E [meu terapeuta] ficou tipo, ‘Do que você tem medo?’ E eu fiquei tipo, ‘Tenho medo de ir para o inferno'”, disse Franzese. “E ele disse: ‘Você pode ser gay e a segunda vinda de Cristo pode acontecer, e você não vai para o inferno se ama a Deus. Isso não é o que é.’”