O Dia

Ato lembra Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito

A cerimônia reuniu líderes de todas as crenças: católica, judaica, espírita, protestante, anglicana, evangélica, messiânica, muçulmana e zen-budista

Rio – Há 10 anos, no terceiro domingo de novembro, o Detran-RJ homenageia familiares e amigos de vítimas de acidentes de trânsito, que enfrentam a dor de perder um ente querido. Neste domingo, 17, o auditório do Museu do Amanhã, na Praça Mauá, recebeu o ato inter-religioso em celebração ao Dia Mundial em Memória das Vítimas de Transito.

“O Detran tem um papel muito importante no dia de hoje. O evento alerta para a importância da educação no trânsito, que preserva vidas e previne acidentes. Estamos aqui para dar conforto a quem perdeu uma pessoa querida vítima de acidente de trânsito”, explica o presidente do Detran, Marcelo Bertolucci.

A cerimônia reuniu líderes de todas as crenças: católica, judaica, espírita, protestante, anglicana, evangélica, messiânica, muçulmana e zen-budista. Organizada pelo Coordenadoria de Educação do Detran-RJ e pelo Núcleo de Apoio às Vítimas de Trânsito (Navi), a celebração contou com o depoimento de pessoas assistidas pelo núcleo, orações dos religiosos e apresentações do coral da Secretaria de Estado de Policia Civil do Rio de Janeiro, com regência do maestro Gilson Bender.

“Esse encontro religioso traz uma consolação para os familiares com um olhar maduro e responsável, principalmente quando falamos em educação no trânsito. Hoje é um dia de orações, de fé e de conscientização”, relata o representante da Igreja Católica, Padre Omar Raposo.

Para a aposentada Irene Alves, uma das assistidas do Navi, a celebração é extremamente importante para que todos recebam o devido apoio. “Me senti acolhida desde o primeiro dia que entrei para o núcleo. Já é o segundo ano que venho no evento e quero agradecer o apoio de todos que participam. Nesta data, saímos mais fortalecidos espiritualmente”, relata Irene.

O babalorixá, Ivanir dos Santos, explica que a educação no trânsito é papel fundamental para o crescimento do cidadão. “É importante que a sociedade seja conscientizada desde sempre. O evento de hoje é importante para sensibilizar a humanidade e acolher os parentes e amigos das vítimas”, afirma o babalorixá.

O estado do Rio de Janeiro apresentou uma queda de 8% no índice de mortes no trânsito no ano passado. Segundo estatísticas do Detran, o número de vítimas fatais caiu de 2.121 em 2017 para 1.957 em 2018. O estudo da Coordenadoria de Estatística do departamento também registrou mais de 29 mil ocorrências de acidentes em 2018, onde as maiores vítimas fatais são homens entre 18 a 29 anos.