Economia

Atividade no Centro-Oeste cai 3,5% no trimestre até maio, diz boletim do BC

A atividade econômica da região Centro-Oeste caiu 3,5% no trimestre encerrado em maio frente ao período finalizado em fevereiro, com ajuste sazonal. O dado é do Boletim Regional do Banco Central, divulgado nesta sexta-feira, 14.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

No período mais afetado pela pandemia do novo coronavírus, o Centro-Oeste teve a menor contração do País, justificado pelo desempenho recorde da safra de soja e também pela estrutura econômica regional, com maior ligação com o setor primário e o beneficiamento desses produtos, diz o BC.

O desempenho positivo do setor primário, contudo, somente atenuou a queda observada nas atividades de serviços mais intensivas em mão de obra ou que têm um padrão de aglomeração social, como bares, restaurantes, hotelaria, recreação e comércio em geral, à exceção de supermercados, explica a autoridade monetária.

O comércio no Centro-Oeste caiu 15,2% no trimestre encerrado em fevereiro, menos do que a média nacional (-19%), enquanto o volume de serviços diminuiu 11,7% (-15,1% no País). Já a produção industrial caiu apenas 0,7% no trimestre, contrastando com a queda de 18,2% no Brasil. O carrego estatístico para a indústria no ano é de queda de 0,7%.

O BC ainda destaca que a produção de grãos deve expandir 3,8% em 2020, atingindo volume recorde de 115,8 milhões de toneladas, e que as exportações aumentaram 10,9% no trimestre até maio ante o mesmo período do ano anterior, impulsionado pelas vendas de soja, carne bovina, algodão em bruto e carne de frango.

Para as próximas leituras, a autoridade monetária afirma que indicadores alternativos indicam recuperação parcial na região. Para o BC, a retomada da economia chinesa, a colheita da segunda safra de milho e a resiliência do setor industrial local continuam como elementos que devem dar sustentação à atividade econômica na região nos próximos meses.

Os pagamentos realizados com cartão de débito compilados a partir da Câmara Interbancária de Pagamentos – Sistema de Liquidação de Cartões (CIP/SLC) nos primeiros 14 dias de julho aumentaram 17,0% na comparação com os dias 3 a 16 de junho, superando inclusive o volume de pagamentos registrado no início do ano, cita. “Esse resultado, entretanto, não é homogêneo, concentrando-se nos setores de supermercados, farmácias, material de construção e veículos. Os setores de hotéis, restaurantes, serviços pessoais e combustíveis ainda estão significativamente abaixo do período anterior aos efeitos da pandemia.”

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea