ROMA, 3 DEZ (ANSA) – Um ataque a bomba durante uma missa católica no sul das Filipinas, na manhã deste domingo (3), deixou ao menos quatro mortos e 42 feridos.   

Segundo as autoridades locais, o atentado ocorreu no ginásio da Universidade Estadual de Mindanao, na cidade de Marawi, que já foi palco de uma batalha entre forças governamentais e militantes ligados ao Estado Islâmico durante cinco meses em 2017.   

A direção da universidade disse estar “profundamente entristecida e consternada” pela violência “insensata e horrível”, “que não tem lugar numa sociedade civilizada, e é particularmente repugnante numa instituição de ensino superior como esta”, diz o comunicado.   

Em seguida, expressou solidariedade “à comunidade cristã e a todas as pessoas afetadas por esta tragédia”. Equipes de segurança foram reforçadas e enviadas ao campus e todas as atividades acadêmicas permanecerão suspensas.   

Em uma declaração, o presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos.   

, condenou o “insensato” atentado à bomba durante uma missa católica e o atribuiu a “terroristas estrangeiros”.   

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

“Condeno nos termos mais fortes possíveis os atos insensatos e hediondos perpetrados por terroristas estrangeiros na Universidade Estadual de Mindanao e nas comunidades de Marawi na manhã deste domingo”, disse ele.   

No Vaticano, o papa Francisco afirmou que está rezando pelas “vítimas do atentado” nas Filipinas. “Desejo assegurar a minha oração pelas vítimas do atentado ocorrido esta manhã nas Filipinas, onde uma bomba explodiu durante a missa”, afirmou ele em um apelo lido pelo monsenhor Paolo Braida.   

“Estou próximo das famílias, do povo de Mindanao que já sofreu tanto”, acrescentou Francisco, que rezou o Angelus pelo segundo domingo consecutivo da sua residência, a Casa Santa Marta, em vez da janela do apartamento pontifício com vista para a Praça São Pedro.   

O argentino de 86 anos não pôde fazer a oração pessoalmente porque ainda sente as consequências de uma bronquite infecciosa aguda. (ANSA).   


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias