Atenção: vem aí o covidão de Jair Bolsonaro

Crédito: Reprodução/ Facebook

(Crédito: Reprodução/ Facebook)

Bolsonaro e bolsonaristas não perdem uma mísera oportunidade de acusar prefeitos e governadores oposicionistas por compras de medicamentos e equipamentos hospitalares, acima do preço, sem licitação, destinados ao combate desta maldita pandemia do novo coronavírus.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Pouco importam os fatos e as razões. Os caras vão logo atirando pedras. E fazem bem! Os governantes que se defendam e apresentem provas de honestidade. A vigilância da sociedade deve ser dura mesmo. A famosa presunção de inocência não basta; tem de ser cabalmente demonstrada a lisura no gasto do dinheiro dos impostos. Simples assim.

Pois bem. O TCU (Tribunal de Contas da União), e não a “imprensa lixo” ou os comunistas, descobriu que o Exército brasileiro comprou a matéria-prima, usada na produção da tal cloroquina, por preços até três vezes mais caros. Repito: três vezes! Além de a droga não ter a eficiência comprovada, custou caro pra chuchu – neste caso, literalmente, pois o legume está parecendo arroz, de tão caro, hehe.

O silêncio nas hordas bolsonaristas é ensurdecedor. Bolsonáticos e bolsominions não saíram por aí pedindo cadeia ou impeachment para o mito. Nem chamaram o caso de covidão da cloroquina. Muito menos acusaram o presidente de receber propina, daí todo seu empenho em empurrar o remédio, goela abaixo, do povão. Aliás, do povão e das emas do Planalto, coitadas.

E deveriam (as hordas) agir dessa maneira leviana e truculenta? Bem, na minha modesta opinião, não. Há de se analisar as nuances do caso e a justificativa do Exército. Mas, se procedem assim com os outros, aí deveriam, sim. Deveriam fazer com o amigão do Queiroz o mesmo que fazem com os inimigos do amigão do Queiroz. Preciso desenhar?

Ocorre que, para essa gente patriota, rachadinha não é corrupção. Flávio Bolsonaro não é Lulinha. Acordo com o Centrão não é “velha política”. Gastos secretos do cartão corporativo desta presidência não são imorais. Para os passadores de pano do bolsonarismo, superfaturamento e corrupção só existem para os outros.

Peça-lhes para explicar a apuração do TCU e simplesmente dirão: “Você prefere o PT?”. Ou te xingarão de comunista, lixo ou qualquer uma das únicas vinte palavras – se muito! – que conseguem guardar e repetir. Aliás, peça-lhes para fazer aquilo que o ilibado patriota que idolatram até hoje não fez: explicar os cheques na conta da primeira-dama, Micheque, ops!, Michelle Bolsonaro.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Último superjumbo Airbus A380 é montado na França

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.