Esportes

Atacante nigeriano do Napoli exibe protesto contra a violência policial em seu país

O atacante nigeriano Victor Osimhen, que atua no Napoli, exibiu neste sábado uma mensagem de apoio às manifestações em seu país contra a violência policial, após marcar seu primeiro gol no Campeonato Italiano.

“Acabar com a brutalidade policial na Nigéria” era a mensagem escrita em inglês que estava na camisa branca que o jogador de 21 anos mostrou para as câmeras de TV depois de marcar o quarto gol do Napoli na vitória por 4 a 1 sobre o Atalanta, em Bergamo, pela quarta rodada do torneio nacional.

A mobilização na Nigéria contra a violência policial nasceu em meados de outubro nas redes sociais, após a divulgação de um vídeo que mostrava um homem morto por supostos agentes Sars, uma unidade policial acusada há anos de chantagear a população, fazer prisões ilegais, torturar e assassinar.

Apesar da promessa do governo de acabar com esta força de segurança, os protestos continuam a crescer nas ruas ampliando o leque de reivindicações. Muitos se perguntam até onde pode ir esse movimento, essencialmente liderado por jovens do sul do país.

alu/bvo/psr/iga/lca


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel