Mundo

Assange recusa oferta para deixar embaixada do Equador

Assange recusa oferta para deixar embaixada do Equador

Os Estados Unidos têm Julian Assange e o Wikileaks na mira desde a publicação de 251.000 notas sigilosas de embaixadas americanas ao redor do mundo - AFP/Arquivos

LONDRES, 07 DEZ (ANSA) – O WikiLeaks anunciou que seu fundador, Julian Assange, não tem nenhuma intenção de deixar a embaixada do Equador em Londres, apesar das garantias de que o Reino Unido não o extraditará a países onde ele arrisque ser condenado à pena de morte.

Na última quinta-feira (6), o presidente equatoriano, Lenín Moreno, disse que recebera “garantias suficientes” para o australiano deixar a sede diplomática, onde ele vive asilado desde junho de 2012. O WikiLeaks e o advogado de Assange, Barry Pollock, no entanto, chamaram a proposta de “inaceitável”.

“Acreditar que tirar da mesa a pena de morte faça Assange não temer ser processado seria obviamente errado, já que ninguém deve ser processado por publicar informações verdadeiras”, afirmou Pollock.

O advogado indicou que a proposta de Moreno não protege o fundador do WikiLeaks de uma possível extradição aos EUA, onde pode ser processado por ter divulgado documentos diplomáticos secretos em 2010. O país estaria disposto a renunciar à pena de morte, mas não à prisão perpétua, em um eventual julgamento por espionagem.

Assange se refugiou na embaixada para escapar de uma extradição para a Suécia, onde era acusado de abuso sexual – caso já arquivado. O país latino, na época, era governado por Rafael Correa, que o apoiava, mas Moreno vem adotando uma postura mais dura e já chegou até a bloquear a internet do australiano por supostas interferências em assuntos de outros países.

O WikiLeaks diz que o atual presidente do Equador quer entregar Assange aos EUA em troca de uma redução de sua dívida externa.

(ANSA)