As lições de Malala no país da ignorância


A paquistanesa Malala Yousafzai completou 21 anos na quinta-feira 12. Nos dias que precederam seu aniversário, a pessoa mais jovem laureada com o Nobel da Paz visitou o Brasil pela primeira vez. Por aqui, ela ressaltou a urgência de iniciativas que valorizem a educação e os direitos das mulheres. “A educação é o melhor investimento sustentável em longo prazo”, afirmou, ao discursar em São Paulo, na segunda-feira 9. No dia seguinte, a ativista que tinha apenas 15 anos quando foi baleada por integrantes do Talibã por ter se posicionado contra a proibição do ensino para meninas no Paquistão, esteve em Salvador, na Bahia. Além de visitar o Pelourinho, ela anunciou que três brasileiras integrarrão a Rede Gulmakai, braço do Fundo Malala dedicado a promover a educação de meninas.

A rede já conta com ações semelhantes no México, Afeganistão, Líbano, Índia, Nigéria e Turquia, além do próprio Paquistão. Malala também afirmou que irá anunciar um projeto global para que a educação seja prioritária nas campanhas eleitorais. No Brasil, o tema tem sido relegado a um plano secundário nos programas dos pré-candidatos. Não deveria. O País que nunca recebeu um Nobel precisa acordar para a lição da mais jovem ganhadora do prêmio. A educação é o maior problema brasileiro pois dela derivam os demais. Ao incapacitar os cidadãos intelectualmente, produzimos intolerância e violência, criamos eleitores que se deixam iludir facilmente e condenamos o País ao eterno atraso.

Há um mês, o monitoramento do Plano Nacional de Educação (PNE), feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), traçou um diagnóstico do caos no ensino público. Das 20 metas estabelecidas pelo PNE para o período de 2014 a 2024, apenas uma foi alcançada: houve aumento no número de mestres e doutores no ensino superior. Entre as outras 19, o quadro é alarmante. Há casos em que os índices retrocederam, como no item “desempenho da aprendizagem”.

A meta é chegar a 2024 com todas as crianças alfabetizadas até o fim do terceiro ano do Ensino Fundamental. Em 2014, esse índice era 56%. Caiu para 55% em 2017. A mulher que sobreviveu a um atentado por defender o direito à educação em
um país dominado pela intolerância religiosa tem muito a ensinar aos brasileiros. A maior lição que podemos aprender com Malala é que, se continuarmos tão mal na educação, não haverá futuro. Apenas trevas.

Educação ruim gera intolerância e violência, produz eleitores que se deixam enganar e condena o País ao eterno atraso


Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais

Tópicos

Celso Masson

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.