Esportes

As emoções dos soldados do Afeganistão que competem nas Paraolimpíadas


Os ex-soldados que serviram no Afeganistão, agora atletas paraolímpicos, têm sentimentos ambíguos em Tóquio: eles viram recentemente o país cair nas mãos do Talibã, enquanto se preparavam para conquistar uma medalha.

“Tem sido um pouco difícil me concentrar no que tenho que fazer”, disse o australiano Curtis McGrath, que conquistou o ouro na canoagem nesta sexta-feira (3), garantindo que tem dificuldade para escapar da situação atual.

O bicampeão paralímpico de 33 anos coloca todo o seu “coração” ao lado dos afegãos “que correm o risco de serem privados de sua liberdade”.

Ele perdeu ambas as pernas há nove anos na explosão de um artefato em uma missão na zona de insurreição. Mas se diz “satisfeito” com sua contribuição para o país.

As vozes dos veteranos do Afeganistão reconhecem as semanas difíceis após a tomada de Cabul pelos talibãs. Entre eles, a velocista italiana Monica Contrafatto, que entra na competição neste sábado.

“Meu coração se partiu”, disse a atleta, que perdeu a perna direita em um ataque a tiro em 2012, ao jornal Le Messaggero.

“Me senti mal assistindo as cenas (de tiroteios em Cabul), pensei nelas dia e noite. Depois parei de assistir televisão para não distrair meus pensamentos da competição”, explicou Contrafatto.

O mesmo tipo de resposta de Stuart Robinson, campeão paralímpico de rúgbi em cadeira de rodas. “Para mim é uma página da minha vida passada há alguns anos”, disse o ex-soldado, que perdeu as duas pernas em uma explosão em sua quarta missão, em 2013.

– ‘Emoções negativas’ –

“A notícia afegã provocou emoções negativas em muitos, lembrou-os da guerra e das coisas que ex-combatentes viram durante suas missões”, disse à AFP o psicólogo Colin Preece, que trabalha com a associação de ajuda aos veteranos ‘Help, for Heroes’.

Este grupo afirma ter apoiado 25.600 soldados e suas famílias, incluindo três atletas paraolímpicos feridos no Afeganistão e que ganharam medalhas: Micky Yule, Stuart Robinson e Jaco Van Gass, ouro em perseguição individual e velocidade de equipe, que perdeu o antebraço esquerdo por um lançador de foguetes.

Outros veteranos feridos no Afeganistão também conquistaram pódios em Tóquio: o ciclista americano Shawn Morelli, ouro na modalidade de ciclismo quilômetro, além de seu compatriota Alfredo de los Santos, bronze no revezamento no ciclismo de estrada.

Alguns sucessos se explicam pelos paralelismos entre a vida militar e a de atleta de alto rendimento.

“É preciso determinação e coragem”, diz Preece, especialista em gerenciamento de estresse e melhoria de desempenho.

Esta é uma das razões para o número de pódios de veteranos. Um número que pode crescer. Nos 100 metros (categoria T63) no sábado, Monica Contraffato espera “uma medalha” para dois países: “No meu coração represento a Itália e o Afeganistão”.

clv-etb-dh/pm/dr/ap


Saiba mais
+ Morre a atriz Noemi Gerbelli, a diretora Olívia da novela 'Carrossel', aos 68 anos
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais