As contas públicas e o rebolado do Posto Ipiranga

Crédito: Eraldo Peres

(Crédito: Eraldo Peres)

Enquanto Guedes rebola para arrumar R$ 25 bilhões necessários para viabilizar o Renda Brasil – o Bolsa Família maquiado -, as contas públicas só pioram. Estima-se que este ano a dívida pública alcance R$ 5 trilhões, quase 100% do PIB.

É verdade que a pandemia agravou o quadro. Mas, antes do coronavírus, a dívida já era estimada entre R$ 4,5 trilhões e R$ 4,75 trilhões.

A coisa só não está pior porque o BC vai transferir para o Tesouro R$ 325 bilhões de seu lucro com operações cambiais.

Já o déficit fiscal cresce mês a mês. Em julho, foi de R$ 87, 8 bilhões (contra R$ 5,9 bilhões em julho de 2019). Este ano, o déficit está estimado em R$ 505 bilhões.

Má gestão

É verdade que Guedes foi atropelado pela Covid-19, mas cadê as privatizações que iriam encher o caixa do governo com os trilhões prometidos? Cadê as reformas administrativa e tributária que iriam desburocratizar e reduzir o tamanho do Estado?

Nada acontece. Guedes até jogou a toalha. Está nas cordas.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Dispositivo ilegal criado por Steve Jobs pode chegar a US $ 125.000

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar



Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.