As comemorações de 500 anos de Raffaello, um dos grandes mestres do Renascimento

Crédito: Reprodução

(Crédito: Reprodução)

A pandemia de COVID-19 não impedirá as comemorações do 500º aniversário da morte de Raffaello Sanzio (1483 —1520), ou simplesmente Raphael, um dos grandes mestres do Renascimento, junto com Michelangelo e Leonardo da Vinci. Influenciador de muitas escolas até a primeira metade do século XIX, Raffaello também impactou a obra de importantes pintores do século XX, como Salvador Dalí.

A maior exposição da história já dedicada ao artista foi adiada alguns meses por causa do coronavírus, mas agora está aberta até 30 de agosto. Mais de 200 obras-primas, entre pinturas, esboços e desenhos arquitetônicos, foram reunidas para a exibição “1520-1483 – Raffaello”, que acontece na Scuderie Del Quirinale, em Roma, cidade onde viveu a maior parte de sua vida profissional. A exposição destaca como Roma o influenciou.

Para que essa exposição acontecesse, especialistas em arte e diversos museus trabalharam anos em conjunto. A mostra tem o apoio especial da Galeria Uffizi, da Galleria Borghese e dos Museus do Vaticano, que, em um movimento inédito, concordaram em emprestar parte de seus acervos. Entre os outros museus de renome que cederam obras estão o Louvre, a Galeria Nacional de Arte Antiga, a Galeria Nacional de Arte de Bolonha, o Museu Real Bosco di Capodimonte, o Museu Nacional de Arqueologia de Nápoles, a Fundação dos Museus de Brescia, a Albertina de Viena, o Museu Britânico, o Museu Ashmolean em Oxford, o Musée des Beaux-Arts em Lille, a Galeria Nacional de Londres, o Museu do Prado e a Galeria Nacional de Arte de Washington.

A mostra acontece também no mesmo período que especialistas em tecnologia concluem importante pesquisa que reconstruiu digitalmente em 3D (três dimensões) o rosto de Raffaello a partir de um molde de gesso de seu crânio. A tecnologia acabou com um questionamento de centenas de anos e que, até agora, não se tinha certeza: os restos mortais do túmulo no Panteão são mesmo de Raffaello e que o mestre está enterrado ao lado de alguns alunos.

A exposição abre com a pintura “Autorretrato de Rafael” (1506), com o artista jovem e bonito, olhando por cima do ombro. Apresenta importantes destaques de seu trabalho como as pinturas a óleo “Retrato de Baldassare Castiglione” (1514–1515) e “Retrato de Leão X” (1518–1519), que por pouco não ficou de fora da exposição por causa do risco no transporte. A influência duradoura de Raffaello na arte romana é encontrada na tela de jovem nu como “São João Batista” (1518), uma inspiração evidente em obras de Caravaggio, outro pintor sensacional e que explorava com maestria a técnica de claro e escuro. “A Visitação” (1517) retrata a visita da Virgem Maria a Santa Isabel. Os amantes da história ficarão encantados com “O Êxtase de Santa Cecilia” (1518) e “A Madona do Amor Divino” (1516).

A exposição apresenta a pintura em miniatura “Visão de Ezequiel” (1518) ao lado de imagens de tapeçarias que representam cenas da vida de São Paulo e São Pedro. Essas tapeçarias gigantes foram encomendadas para serem colocadas na Capela Sistina e não puderam ser retiradas dos Museus do Vaticano para a mostra porque são centenárias e correm o risco de esfarelar no trajeto.

Dizem que Raffaello foi o primeiro supervisor do patrimônio cultural da humanidade, pois foi o primeiro a realizar uma investigação sobre o estado de conservação dos monumentos mais antigos de Roma, propondo melhorias e recomendando restaurações. A fase mais romântica de seu trabalho também está exposta, com obras como “La Fornarina” (1519 – 1520), a filha do padeiro e que foi sua amante de longa data. O afeto amoroso do artista por Margherita Luti era tão conhecido que Giorgio Vasari, artista e autor do livro “Lives of the Most Excellent Painters, Sculptors, and Architects”, chegou a sugerir que os problemas cardíacos que causaram a morte de Raffaello foram gerados porque ele namorava demais. Eu não duvido disso (Risos!).

Em 1514, após a morte de Michelangelo, Raffaello foi nomeado arquiteto-chefe da Basílica de São Pedro, sendo responsável pelo projeto que modificou a planta da igreja do formato de uma cruz grega para uma cruz latina. Na época, muitos artistas eram patrocinados por nobres e por importantes membros da Igreja Católica. Em 1508, ele foi chamado a Roma pelo Papa Júlio II e iniciou o período mais intenso e frutífero de sua vida, pintando inclusive uma série de imensos afrescos para salas do Vaticano sobre teologia, filosofia, poesia e jurisprudência. Foi nessa época que produziu “Retrato do Papa Júlio II”, que inclusive eternizou sua imagem com essa obra por ser a primeira a retratar um papa sentado, perdido em seus pensamentos, como um ser comum e, ao mesmo tempo, divino. Esse modelo de retrato foi copiado por cerca de dois séculos por muitos pintores.

Foi na oficina de seu pai que aprendeu o básico das técnicas artísticas. Com menos de onze anos já frequentava ateliês de artistas e dominava o afresco. Fez o altar da Igreja de San Nicola da Tolentino, que infelizmente foi danificado seriamente por um terrível terremoto de 1789. “O Casamento da Virgem” (1504), produzido para a Igreja de Città di Castello e hoje parte do acervo da Pinacoteca de Brera, está na exposição para lembrar que com apenas 21 ele já era Raffaello. Quinhentos anos depois de sua morte continuamos com essa certeza. Raffaello era, é e ainda continuará sendo considerado genial!

Escreva para sugerir um tema ou para contar algo sobre seu artista preferido. Adoro boas histórias! (Instagram Keka Consiglio).

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ 7 cidades na Europa que te pagam para morar lá

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Vídeo do TikTok com mulher sendo empurrada de ônibus viraliza; veja

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar



Sobre o autor

Keka Consiglio é artista plástica, jornalista e empresária do setor de comunicação. Apaixonada por arte desde criança quando começou a estudar o tema, entregou-se de vez a esse universo ao fazer cursos e visitar museus e exposições, tanto no Brasil como no exterior. Desenvolve uma arte livre, criativa, repleta de cores e de elementos baseados em temas cotidianos, tendo a sustentabilidade presente em todo o seu processo de criação. Curiosa e motivada por desafios, vive e trabalha em São Paulo, produzindo suas coleções a partir de dois estúdios. Instagram: @keka_consiglio_artista. Site: www.kekaconsiglio.com.br


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.