O Dia

Artistas despedem-se de Reinaldo, o Príncipe do Pagode nas redes sociais

Cantor morto na madrugada de segunda foi velado e entrerado no Hospital Bela Vista, em Osasco

Rio – Nome atuante do universo do samba, e carioca vivendo em São Paulo, o cantor Reinaldo Gonçalves Zacarias, mais conhecido como Reinaldo, o Príncipe do Pagode, morreu na madrugada de segunda, aos 65 anos. O artista lutava contra um câncer no pulmão havia quatro anos, mas continuava dando shows. Sua morte se deu após uma parada cardiorrespiratória.

O cantor tinha um show marcado para domingo – a apresentação foi cancelada porque o músico foi internado no hospital Albert Einstein, na capital paulista. Reinaldo foi velado no hospital Bela Vista, em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. O funeral foi realizado no mesmo local. Artistas como Royce do Cavaco e Netinho de Paula foram se despedir dele.

Nas redes sociais, vários nomes do pagode homenagearam Reinaldo. Mumuzinho postou uma foto dele e escreveu: “Descanse em paz nosso eterno príncipe do pagode Reinaldo. Que dia triste para o nosso samba e para a música brasileira! Seu legado nunca será esquecido”. Dudu Nobre agradeceu Reinaldo “por tudo o que você fez pelo samba”.

Arlindinho lembrou que os dois dividiriam o palco no fim do ano em Belém. “Ainda sem acreditar, mas não vou sofrer pois sei que descansou em paz! Eu te amo, meu ídolo”, escreveu. O grupo Revelação publicou uma foto com ele e escreveu: “É assim que vamos lembrar de você, nosso eterno mestre, o Príncipe do Pagode, nosso irmão”.

Sucessos

Reinaldo teve sucessos como ‘Papel Assinado’, ‘Aquela Imagem’, ‘Para ser minha Musa’, ‘Tô Ligado em Você’ e ‘Soneto de Prazer’. O cantor gravou seu primeiro disco em 1986, ‘Retrato Cantado De Um Amor’, quatro anos após demitir-se do emprego num banco e migrar do Rio para São Paulo, para fazer carreira como cantor na capital paulista.

O apelido “Príncipe do Pagode’, Reinaldo lembrou que surgiu por intermédio de um amigo locutor de rádio. Numa entrevista ao ‘Conversa com Bial’ ele disse que tudo começou num programa chamado ‘Sambalanço’, na Rádio Manchete.

“O locutor era meu amigo de cachaça. Ele falava: ‘Preciso arrumar um título para você’. Eu disse: ‘Fala só Reinaldo, mas toca a minha música’. Um dia estou em casa, ele fala: ‘Agora vamos ouvir na voz do Príncipe do Pagode, ‘Retrato Cantado de um Amor”. Liguei pra ele e falei: ‘Os caras vão ficar chateados’. Ele disse: ‘Você é mesmo o Príncipe, devia ser o rei’. Eu falei: ‘Não, está bom!'”, explicou aos risos.