Mundo

Artistas cubanos entrincheirados que desafiam o governo foram desalojados pela polícia

Artistas cubanos entrincheirados que desafiam o governo foram desalojados pela polícia

Cubanos que vivem em Barcelona, Espanha, se solidarizam com Movimento San Isidro de Havana, um coletivo de artistas, universitários e jornalistas que exige que o governo cubano liberte um de seus membros - AFP

Os artistas cubanos que estavam entrincheirados há 10 dias em uma casa do centro histórico de Havana foram desalojados pela polícia, denunciaram os ativistas nas redes sociais.

Os membros do Movimento ‘San Isidro’ foram desalojados à força “e não sabemos seu paradeiro. Tememos por sua integridade física”, afirmou um ativista na conta do grupo no Twitter.

“Enquanto o regime de (o presidente Miguel) @DiazCanelB bloqueava todas as redes sociais em Cuba, seus agentes violentos invadiram o @Mov_sanisidro e levaram todas as pessoas que estavam em um ato de protesto contra a repressão”, tuitou Erika Guevara-Rosas, diretora para a América Latina da Anistia Internacional.

“Exigimos sua libertação e respeito aos direitos humanos”, completou.

No total, 14 pessoas estavam no local, seis delas em greve de fome há vários dias, para pedir a libertação de um integrante do grupo, o rapper Denis Solís, detido em 9 de novembro e condenado a oito meses de prisão por “desacato” à autoridade.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Os líderes do movimento são o artista Luis Manuel Otero (32 anos), preso por 12 dias em março por usar a bandeira cubana em uma performance degradante de acordo com as autoridades, e o rapper Maykel (Osorbo) Castillo (37), condenado em 2018 a um ano de prisão por “agressão à autoridade”, ambos em greve de fome.

O escritor e jornalista cubano Carlos Manuel Álvarez, colaborador dos jornais norte-americanos The Washington Post e The New York Times, juntou-se ao protesto na terça-feira, quando chegou no país.

O blog governista ‘Razones de Cuba’ afirmou que Álvarez não respeitou o isolamento obrigatório para os viajantes que entram no país devido à covid-19 e cometeu o delito de “propagação de epidemia”, o que “obrigou uma ação imediata das pessoas que estavam no local”.

O site afirma que após a verificação do estado de saúde, eles “voltarão a suas residências caso não representem riscos”.

Ativistas próximos ao grupo confirmaram à noite a libertação e retorno da maioria dos detidos.

Diversas organizações internacionais, assim como importantes figuras do governo dos Estados Unidos e de outros países, expressaram preocupação com os ativistas em greve de fome nos últimos dias.

A imprensa oficial cubana não reconhece o protesto, que chama de farsa, e acusa os ativistas de “mercenários” apoiados pelos Estados Unidos.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Veja o significado dos 10 sonhos mais comuns
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Ex-jogadora de futebol, Madelene Wright, começa a vender fotos sensuais após ser demitida do time
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel