Cultura

Arte Digital

Graças à expansão das tecnologias 3D e da realidade virtual, as visitas a museus ,pela internet, estão cada vez mais interativas e ricas em detalhes

Crédito: Divulgação

EM CLOSE Museu do Vaticano: tecnologia permite acesso a detalhes do teto da Capela Sistina (Crédito: Divulgação)

Visitas a museus virtuais são atividades culturais educativas e, com o avanço da tecnologia, cada vez mais interativas e divertidas. Além disso, podem transformar a reclusão em que vivemos hoje em um período de aprendizado. Há inúmeras opções online: por meio de câmeras 3D e realidade virtual, os sites possibilitam visualizações das obras em alta definição e do próprio museu em condições bem próximas da realidade.

É o caso do Museu do Vaticano, em Roma ou do Museu do Louvre, em Paris. Ambos permitem navegar com o mouse por seus corredores e se deter ‘diante’ de cada obra, como em um museu real. Com charme adicional: no caso do Vaticano, por exemplo, é possível dar um close em cada pintura do teto da Capela Sistina — algo impensável mesmo para quem está fisicamente no local. Ao ver em detalhes esse tesouro artístico, é possível compreender melhor a genialidade de Michelangelo — basta lembrar que ele dispensou assistentes e pintou a obra de 680 metros quadrados praticamente sozinho, entre 1508 e 1512.

 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel