Armar ao próximo como a si mesmo

A nossa folia e fé segundo Freud, Dante, Christopher Hitchens, Alain de Botton e Kierkegaard. Humanos não se apertam, não é mesmo? Brasileiros em especial. Diferentes de qualquer outra espécie há competência para inventar camadas de realidade que nos convencem do que quisermos acreditar. Veio o homem e inventou o pecado como justificativa para o sofrimento inerente à condição humana. Aí os brasileiros inventaram o Carnaval, que é dar um refresco. Você vai dizer que o Carnaval não é invenção nossa, mas é. Esse Carnaval raiz, de xixi na rua, pegação e roubo de celular, que amamos tanto, é made in Brazil, sim senhor. E inventamos porque brasileiro está convencido que ser santo o ano todo é um inferno. De um lado, a Fé nos impõe a culpa pelos pecados, mas também o conforto diante das vicissitudes da existência.

Freud dizia que, ao acreditar no sagrado, a gente permite se infantilizar. Nos colocar nos braços de quem nos ama e prometer cuidar e proteger para a eternidade, desde que a gente cumpra lá uma meia dúzia de obrigações contratuais. Num pêndulo, como o político, do outro lado está o Carnaval. O Carnaval é de esquerda. Fé é de direita, arrisco polemizar. Ambos, no Brasil, são a prova de que somos polarizados muito além da política. A festa pagã permite usar nosso livre-arbítrio da forma mais animal que concebermos. Se, como rotina, optarmos pela vida dos pecados de Momo (não confundir com Moro), iremos para o quinto dos infernos, que para Dante é um shopping de nove pisos. Um lugar terrível que vai do confronto com monstros mitológicos até uma convenção do PT presidida pela Gleisi Hoffmann. Não me ocorre sofrimento maior.

Já segundo Christopher Hitchens, se optarmos pela seriedade da religião – seja ela qual for – que simbolizo aqui pela retidão de um Moro (não confundir com Momo), estaríamos nas mãos de um ditador. Ainda segundo Hitchens, um ditador que se ocupa com o que comemos, com o que sonhamos, o que pensamos, quem amamos, e o que fazemos com nossos amados, principalmente quando estamos sem roupa. Moro e Momo, nesse contexto, são os dois opostos polarizados. O sensato e o libertino. Cada um cuidando de tolher e liberar, respectivamente. Ambos nos liberam do pecado original e, de quebra, limpa nosso nome no Serasa e manda para a cadeia os corruptos do PT.

É justamente nesse arcabouço político-religioso que repousa o sucesso do nosso presidente. Pelo inconsequente coletivo, Bolsonaro foi eleito pai, protetor e redentor. Cabe como luva o discurso contra o mal representado por Lula que, expatriado e excomungado, terá que viver para sempre entre o inferno de Curitiba e o purgatório dos palanques. Cabe, também, as piadinhas sexuais, as graças escatológicas e carnavalescas. Para o mito, cabe a simbologia dos revolvinhos, que é seu sinal da cruz. No Bolsonicismo cabe Olavo de Carvalho, o sábio. Em nome do pai e dos filhos cabe a santíssima trindade do zero um, dois e três. Cabe a repetição da ladainha de acusações e propostas, a oração que, segundo Alan de Bottom, é o mais eficiente método de convencimento e que deveríamos aprender. Rezar, diz ele, é repetir ad aeternum os preceitos mais simplistas de um dogma. Até que virem nossa segunda natureza.

Bolsonaro repete, a cada oportunidade, seus mesmos preceitos simplórios. Sem nenhuma criatividade, como tem mesmo que ser. O resultado é evidente. Um séquito de beatos e beatas acredita piamente no mito e a procissão segue rumo a um juízo final, ou, nas palavras de Kierkegaard: “A função da oração não é influenciar Deus, mas mudar a natureza daquele que ora.” Só o Carnaval nos salva.

Bolsonaro repete seus dogmas ininterruptamente: machismo, sexismo, Olavismo e Morismo, com isso ganhou um rebanho que louva ao mito. Só o Carnaval para dar um refresco


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.