Tecnologia & Meio ambiente

Argentina registra recorde diário de mortos em seis meses de confinamento

Argentina registra recorde diário de mortos em seis meses de confinamento

Médico ajusta seu equipamento de proteção no hospital Alejandro Posadas, o maior da Argentina, na província de Buenos Aires, em 18 de setembro de 2020. - AFP

A Argentina registrou nesta segunda-feira um recorde diário de mortos pela Covid-19, 429, o que eleva para 13.482 o total de vítimas fatais da doença.

Este é o número mais elevado desde que a pandemia atingiu o país sul-americano, que mantém medidas de confinamento desde 20 de março, embora com uma flexibilização progressiva por região.

Segundo o Ministério da Saúde do país, o total de casos chegou a 640.134, com 508.563 recuperados. As províncias com maior número de casos são Buenos Aires, Santa Fé, Córdoba e Mendoza.

Na cidade de Buenos Aires, a quantidade de infectados diminuiu, situando-se hoje em 678. A capital argentina inicia esta semana uma nova etapa em seu confinamento, com a autorização de funcionamento de restaurantes com espaços externos e obras de construção em etapa final, entre outras atividades.

Segundo o relatório oficial, a ocupação das UTIs é de 60,3% em nível nacional e 65,5% na região metropolitana de Buenos Aires.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar