Economia

Argentina entra em moratória e acelera renegociação da dívida

Argentina entra em moratória e acelera renegociação da dívida

Ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, em teleconferência em Buenos Aires, em 19 de maio de 2020 - Ministerio de Economía de Argentina/AFP/Arquivos

A Argentina entrou em uma nova moratória nesta sexta-feira, a segunda neste século, ao deixar de pagar 500 milhões de dólares em juros sobre títulos de uma dívida que pretende renegociar antes de 2 de junho.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“Não pagamos (os juros), mas as negociações continuam”, disse uma fonte oficial à AFP, referindo-se à inadimplência dos títulos globais denominados 2021, 2026 e 2046, cujo período de carência venceu nesta sexta-feira.

É a nona vez que a Argentina, entre os principais exportadores de alimentos do mundo, entra em moratória. A última vez foi em 2001, com um default de mais de 100 bilhões de dólares, que desencadeou a pior crise social e econômica do país.

Neste caso, contudo, o governo de centro-esquerda de Alberto Fernández deseja chegar a um acordo com os detentores de títulos.

No final desta quinta-feira, o governo argentino relatou uma prorrogação, até 2 de junho, do prazo para os credores aderirem à sua proposta pelos títulos por cerca de 66 bilhões de dólares em dívidas emitidas sob jurisdição estrangeira, prazo que venceu neste 22 de maio.

– Default curto? –

O governo insiste em que as negociações estão indo bem, mas os fundos de investimento solicitam um diálogo “direto e imediato” com o governo argentino.

“Durante o último mês, a Argentina praticamente não teve comunicação substancial com seus credores”, assinala um comunicado do grupo Ad Hoc (composto por vários fundos de investimento, incluindo BlackRock ou Fidelity), principal grupo de credores da Argentina.

Para a agência de crédito Moody’s, as perspectivas não são boas: “Hoje, após completar um período de carência de 30 dias, o governo da Argentina não pagou juros. (…) A Moody’s antecipa que as perspectivas para a reestruturação da dívida da Argentina provavelmente se tornarão mais complicadas”, indicou Gabriel Torres, gerente sênior da agência de classificação de risco.

O ministro da Economia, Martín Guzmán, ofereceu aos detentores de títulos uma troca por novos títulos, com um período de carência de três anos sem pagamento, uma retirada de 5,4% do principal e 62% dos juros, mas sua oferta foi rejeitada.

Os credores apresentaram suas próprias propostas, que o governo disse que está analisando.

“Se você conseguir a maioria para aderir ao swap, o default será muito curto”, disse à AFP a economista Marina Dal Poggetto, da empresa EcoGo. “Mas se eles atrasarem a negociação, pagaremos caro”, avaliou.

O Fundo Monetário Internacional, que apoia a Argentina em sua reestruturação, declarou-se estimulado pela “disposição de ambas as partes em continuar as negociações para chegar a um acordo”, segundo seu porta-voz, Gerry Rice.

– O que acontece agora? –

O governo argumenta que é difícil honrar seus compromissos após dois anos de recessão, em um contexto de inflação alta (53% em 2019) e aumento da pobreza (33% em 2019). A dívida da Argentina totaliza 324 bilhões de dólares, equivalente a quase 90% do Produto Interno Bruto.

A crise é agravada pela pandemia do novo coronavírus, que desacelerou a atividade econômica e exigiu subsídios significativos para mitigar seu efeito nas empresas e na população mais vulnerável.

Se as negociações não forem encerradas antes de 2 de junho e ocorrer uma nova extensão, a Argentina aguarda vencimentos adicionais de juros para o final de junho. Se o período de carência de 30 dias for considerado, o prazo máximo a pagar expirará no final de julho.

Nesse caso, “os credores provavelmente irão considerar mais conveniente o litígio, considerando que é difícil para a Argentina chegar a um acordo no curto prazo”, disse à AFP Ignacio Labaqui, da Medley Global Advisors.

Com uma situação de inadimplência, os credores podem solicitar à Justiça aquilo que é conhecido como “aceleração” da dívida, ou seja, a demanda por seu pagamento integral.

Além disso, com os títulos em moratória, existe o risco de que os fundos especulativos que adquirem essa dívida a um preço baixo, entrem em jogo e depois litiguem para terem grandes lucros. Conhecidos na Argentina como “abutres”, esses fundos já venceram o país nos tribunais de Nova York em 2014.

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Com maiô cavado, Scheila Carvalho ostenta corpo musculoso aos 47 anos

+ A Fazenda 2020: Peões ficarão 24 horas sem água encanada devido a punição por drink de álcool em gel

+ Aprenda a preparar o Chevette, drinque que virou febre em SP

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea