Aras não pode ser o dono de todas as investigações de corrupção do país

Crédito: Reprodução/ YouTube

Augusto Aras (Crédito: Reprodução/ YouTube)

Consigo entender quem critica a Lava Jato por acreditar que os procuradores da operação se excederam, usaram práticas heterodoxas, vestiram a armadura brilhante dos justiceiros e dos salvadores da pátria.

Não consigo entender de jeito nenhum os críticos imaginarem que a melhor solução para evitar abusos do Ministério Público Federal é submeter forças tarefa como a da Lava Jato ao controle do Procurador Geral da República. É isso o que deseja o PGR Augusto Aras: criar um órgão central de investigações subordinado ao seu escritório.

Já falei disto aqui: a Constituição de 1988, pela primeira vez na história brasileira, desvinculou o MP do poder executivo, para que ele não ficasse sujeitado à influência político. Agora querem que os procuradores que investigam corrupção – justamente esses! – sejam comandados pelo único membro de toda a instituição que é indicado pelo Presidente da República e, portanto, está de alguma forma vinculado ao chefão da hora. Isso seria um retrocesso. Recuso-me a acreditar que não exista solução mais razoável.

Não sou especialista em Ministério Público. Mas acho que entendi direito como funcionam as Câmaras de Coordenação e Revisão (CCR) do MPF. A função desses órgãos, vejam só, é coordenar, integrar e revisar o exercício funcional dos procuradores e, especialmente, das forças tarefa. As câmaras são temáticas; a quinta cuida dos crimes de corrupção.

Isso significa que já existe uma estrutura no MPF com papel quase idêntico ao da geringonça que Augusto Aras quer criar. A única diferença é que o PGR não reina nas câmaras, pois indica apenas um dos três integrantes de cada uma. Será por isso que, em vez de fortalecer o já existente, Aras prefere inventar algo inteiramente novo?

Em abstrato, dar ao procurador geral da República o poder de meter o bedelho em todas as investigações sobre corrupção que acontecem no Brasil já seria muito ruim. Quando o PGR, concretamente, se chama Augusto Aras e foi indicado por Jair Bolsonaro, a coisa é assustadora.

O maior estelionato eleitoral de Bolsonaro foi dizer que seu governo seria implacável com a corrupção política. Desde de que entrou no governo, ele parou de defender a prisão em segunda instância, aceitou tirar da estrutura do Ministério da Justiça o Coaf, que analisa movimentações financeiras suspeitas, e procurou influir sobre a PF, o que levou Sérgio Moro a sair do governo.

Ele também se manteve em silêncio absoluto em meio ao tiroteio sobre a Lava Jato. Não disse uma palavra, sequer para relativizar as críticas à operação que ele tanto louvou na campanha eleitoral, e que atualmente são feitas da maneira mais contundente por Aras.

Bolsonaro parou de falar sobre corrupção porque tem telhado de vidro: seus filhos Flávio e Eduardo estão enrolados com acusações de desviar dinheiro público em benefício próprio. O caso de Flávio é o das célebres rachadinhas, o de Eduardo envolve sobretudo dinheiro do fundo partidário e é relatado em detalhes pela IstoÉ desta semana. Não é corrupção bilionária. Se for comprovada, é corrupção rastaquera, mas igualmente repugnante.

Bolsonaro não se contrapõe a Aras porque provavelmente nunca foi tão apaixonado assim pela Lava Jato, mas principalmente porque isso lhe é conveniente. É uma forma de agradar parlamentares enrolados, especialmente do Centrão, que podem ajudá-lo a aprovar projetos e, mais importante, barrar um processo de impeachment.

Imagine agora que o procurador geral se torne senhor de uma pilha de dados potencialmente comprometedores sobre o mundo da política. O histórico de Aras em relação a Bolsonaro é ambíguo: às vezes ele se mostra dócil, às vezes deixa passar algo que não interessa ao presidente, como o inquérito das fake news.

Será que o PGR seria absolutamente inflexível, totalmente infenso a compartilhar informações que dessem ao Palácio do Planalto a chance de “negociar” com seus aliados e adversários políticos? Prefiro não responder essa pergunta. Prefiro que o dilema não exista.

Augusto Aras não pode supervisionar todas as investigações sobre corrupção do país. Se o objetivo é controlar melhor o trabalho do MPF, que se encontre outra solução.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.