ISTOÉ Gente

Apresentadora da Record é demitida e expõe supostos casos de machismo

Crédito: Reprodução/Instagram

A apresentadora Mariana Martins, da Record em Goiás, publicou um vídeo em seu Instagram nesta terça-feira (25) comunicando seus fãs sobre sua demissão. Segundo a jornalista, ela foi alvo de casos de machismo e de constrangimento por parte da emissora.

+ ‘Disponível para trabalhos’, diz Carla Cecato após ser demitida por e-mail pela Record
+ Repórter da Globo volta de licença-maternidade e é demitida
+ Erika Schneider é demitida do ‘Domingão do Faustão’ após 7 anos no programa

“Hoje pela manhã, eu fui comunicada de uma decisão da empresa pela minha demissão. Não me disseram o motivo e eu acredito que eu tenha que dar uma satisfação pra vocês que me acompanham. Eu sei alguns dos motivos. Então eu queria dividir com vocês algumas coisas, até para que sirva de alerta para outras mulheres”, começa Mariana em seu vídeo.

Instagram will load in the frontend.

Mariana, que era apresentadora do “Balanço Geral Manhã”, diz que viveu várias situações de constrangimento e que deixaram claro para ela queriam transformá-la em uma outra pessoa. Ela conta que foi chamada em uma reunião para tratar de audiência e que foi constrangida por usarem fotos de suas redes sociais, e por pedirem que ela mudasse suas publicações para “falar com o público da Classe C”.

“Me levaram para uma reunião, havia várias pessoas nessa reunião, foram apresentados números de audiência, mostraram que o nosso jornal perdeu audiência. (…) Só que eles não percebem que a culpa não é das pessoas, a culpa não é da Mariana. Colocaram nessa reunião várias fotos das minhas redes sociais, com a presença de várias pessoas, me constrangendo de uma forma absurda. Colocaram fotos minhas de biquíni, fotos minhas de viagem. Dizendo que eu tinha que me transformar. Que eu tinha que transformar o meu Instagram em outro pra falar a língua desse público, pra chamar as pessoas, porque estavam muito bonitas as fotos”, diz a jornalista.

Mariana também conta que chegou a ouvir de uma gerente mulher que, talvez, o seu jeito de andar não era o certo, e que ela achava que a jornalista “sensualizava um pouco na hora de falar”.

“As situações de constrangimento, preconceito, machismo, foram inúmeras. Chegaram ao ponto de colocar uma rede social de uma jornalista de São Paulo dizendo que eu teria que colocar o meu Instagram daquele jeito. E eu argumentei com eles, eu falei: ‘Não é isso que fideliza o público. O público não vai assistir o jornal porque a Mariana tá usando a calça feia ou bonita, justa ou larga. O que fideliza o público é ele ver a denúncia dele no ar. Ele ver a reclamação dele no ar. É um jornalismo imparcial'”, diz Mariana.

Ela também conta que outra colega da emissora também foi constrangida “por ter um corpo bem chamativo. A coagiram também. Ela teve que apagar do Instagram dela fotos de maiô, de viagem, de coisas dela”.

“Isso não está certo. Eu não estou fazendo isso aqui para aparecer, para nada. É só para você mulher saber que não é a sua roupa, não deixem colocar isso na sua cabeça, que vai te definir, não. Não é porque eu postei uma foto de biquíni que eu sou menos jornalista por isso. Porque o meu papel está bem feito no jornal. A matéria que eu saio para fazer, eu entrego bem feita. A gente não pode se calar para nenhum tipo de preconceito. A gente precisa se unir e ser firmes. A gente precisa ter voz e não se calar diante de pressão por audiência, pressão psicológica nos funcionários, pressão na mulher, que a mulher tem que ser menos, tem que usar uma roupa mais discretinha para parecer competente. A gente não pode se calar diante disso”, desabafa.

A jornalista conta que em seu contrato de trabalho não está descrito que a empresa pode interferir em suas contas particulares nas redes sociais, e diz que a Record pratica “tortura psicológica” com os funcionários.

“Isso não está certo. No contrato que a gente assina, não tem nada que diz que eles podem gerir as nossas redes sociais, porque é a minha vida, é a minha individualidade. É a minha casa que eu mostro para vocês. Eles não podem fazer isso por contrato, mas eles fazem. Eles fazem pressão na gente. Eles fazem tortura psicológica com a gente”, diz a jornalista.

A apresentadora finaliza sua mensagem deixando um recado para que outras mulheres não se deixem ser diminuídas por questões físicas e outras formas de preconceito.

“Não é esse preconceito e esse machismo que vão destruir a história que eu construí. Eu sei do meu valor e, acima de tudo, a verdade sempre prevalece. Então, mulheres, levantem a cabeça e valorizem o conteúdo, a inteligência. Não deixem que diminuam vocês nunca por questões físicas. Esse tipo de preconceito precisa acabar”, finaliza Mariana.



De acordo com o UOL, a Record informou que “desligou a jornalista por questões profissionais”.

Veja também
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Viih Tube é elogiada por look transparente com fio-dental após ataque de haters
+ Corpo de jovem desaparecido é encontrado em caçamba de lixo
+ Vídeo: Apresentadora é arrastada por cachorro durante programa ao vivo
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Vídeo: família é flagrada colocando cabelo na comida para não pagar a conta
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio