O Dia

Apresentador vê Flamengo sem rivais no Rio: ‘Os outros três não conseguem ganhar mais’

Ele ainda apontou quais seriam os "novos rivais" da equipe rubro-negra; Confira:

Rio – A desigualdade financeira entre os times cariocas foi motivo de debate nesta sexta-feira, durante o programa “Acabou a Brincadeira”, do “SporTV”. Na ocasião, o apresentador Carlos Cereto analisou o abismo entre Flamengo e os outros três maiores clubes do Rio. Para ele, a diferença é tão grande que a rivalidade entre os clubes já até se perdeu.

“Isso machuca muito o torcedor dos outros times, do Fluminense, do Botafogo, do Vasco, mas a realidade é muito dura e tem que ser dita: hoje, Botafogo, Fluminense e Vasco não são mais rivais do Flamengo”, falou.

Carlos Cereto – Reprodução


Logo depois, Cereto apontou Grêmio, Palmeiras e Corinthians, times que nos últimos anos protagonizaram a disputa dos principais títulos nacionais nos últimos anos, como os “novos rivais” da equipe rubro-negra.

“A concorrência do Flamengo é com Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Grêmio, outras equipes do futebol nacional. Porque os times do Rio, pela questão financeira, não conseguem ganhar campeonato nacional. O Fluminense ganhou quando tinha um patrocinador forte, de lá pra cá, não conseguiu mais”, finalizou.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Moto pega fogo ao ser desinfectada; veja o vídeo
+ Aparência de apresentadora da TV britânica choca redes sociais
+ Empresário de 34 anos morre após cair do parapente no Espírito Santo
+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior